40% dos diabéticos desenvolvem retinopatia

A retinopatia diabética é uma manifestação ocular da diabetes que afeta a retina, parte do olho responsável pela captação das imagens e envio para o cérebro. O Dia Mundial da Retina assinala-se a 29 de setembro.

O aparecimento da retinopatia está relacionado com o tempo de duração da diabetes e com a falta de controlo da glicemia.

Esta doença geralmente afeta ambos os olhos e se não for diagnosticada e tratada precocemente pode levar à cegueira. Estima-se que 40 por cento dos diabéticos desenvolvem retinopatia, sendo esta a principal causa de cegueira em pessoas com menos de 60 anos. 

Para prevenir ou controlar as alterações provocadas pela retinopatia, a pessoa com diabetes deve realizar consultas regulares de controlo oftalmológico. Desta forma, poderá levar à deteção de situações de retinopatia em estado inicial. De acordo com o Observatório da Diabetes estima-se que há cerca 564 mil diabéticos tipo 2 a necessitar de rastreio de retinopatia diabética.

O tratamento para a retinopatia diabética nos estágios iniciais consiste no controle dos níveis de glicose no sangue, evitando assim uma progressão da doença. Nos casos mais avançados de retinopatia diabética, o tratamento pode ser realizado com recurso a fotocoagulação por Laser.

A retinopatia diabética num estado mais avançado, diminui a qualidade de vida do diabético. A visão central deficiente impede de ver os equipamentos mais pequenos, tais como a seringa de insulina ou a bula dos medicamentos. As alterações na sensibilidade cromática são também muito frequentes. Nesta fase os filtros e as ajudas visuais tornam-se de grande utilidade.