A comunicação social no futebol

Uma ciência social aplicada, cujo objeto tradicional de estudo são os meios de comunicação de massa, principalmente o jornalismo ou imprensa e a comunicação organizacional de empresas e de organizações governamentais ou não-governamentais.

Esta é uma definição de comunicação social e daquilo que deveria ser o seu papel, no entanto isto não se verifica nos dias de hoje, principalmente nos espaços informativos dedicados ao futebol.

Curiosamente ou não, é em Portugal que mais se verifica a pressão feita pela comunicação social sobre árbitros, treinadores e jogadores. Num outro país, como por exemplo a Inglaterra, os programas transmitidos durante a semana sobre a jornada anterior têm como principal ponto de discussão os jogos e aquilo que neles se passou, aquilo que os jogadores fizeram bem, o que fizeram mal, os golos que foram marcados, as defesas que foram feitas. Apenas no final, e quando há tempo para tal, é dada uma nota sobre o trabalho desempenhado pelo senhor do apito. Mas, não estamos em Inglaterra, estamos em Portugal. E neste nosso país, ao contrário do que acontece em terras de sua majestade, a maioria dos programas que visam discutir a jornada anterior do campeonato de futebol dedicam 90% do seu tempo a falar sobre a arbitragem, deixando os restantes 10% para colocar em causa o valor e a competência deste ou daquele treinador. Nas capas dos jornais, ao longo da semana, vemos vários rodapés relativos a erros de arbitragem e a trocas de acusações entre este e aquele clube que parecem querer nada mais do que exaltar os ânimos de dirigentes, adeptos e atletas que muitas vezes descarregam no jogo seguinte. Não é, portanto, de espantar que um jogo em Portugal tenha uma média de 30 faltas e 45 minutos de tempo jogado, números estes que são piores do que os de alguns campeonatos periféricos.

Em jeito de conclusão, seria bom que quem organiza os programas relativos a este tema se preocupasse em torná-los mais centrados na análise ao desempenho das equipas que se defrontaram do que no trabalho da equipa de arbitragem que só tem a ganhar em passar despercebida.