A Dança tem 3 vidas em Guimarães

No primeiro sábado desta edição do GUIdance, dia 9 de fevereiro, a Dança tem 3 vidas, com passagens pelo Pequeno Auditório do CCVF (11h00 e 15h00), Black Box do Centro Internacional das Artes José de Guimarães (18h30) e Grande Auditório do CCVF (21h30).

A 9 de fevereiro, a Dança tem 3 vidas e pisa três diferentes palcos.

O dia começa a sorrir para os mais novos com “Um Ponto que Dança”, espetáculo-oficina de Sara Anjo, a partir do livro com o mesmo nome que a artista escreveu, com ilustrações de Martina Manyà, que se desenvolve em duas partes: uma leitura encenada da obra e um conjunto de exercícios centrados na ideia de um ponto que dança para crianças e famílias.

A dança avança depois para o CIAJG com a estreia absoluta de “anesthetize”. Há uma associação pouco óbvia entre as ideias de anestesia e movimento, mas é a partir dessa aparente contradição que a prolífica criadora Maurícia | Neves (coreógrafa e performer, mas também autora de instalações e música) fez nascer “anesthetize”, peça para três corpos femininos com a qual faz a sua estreia no GUIdance.

Os últimos passos deste dia serão dados no palco maior do CCVF pela companhia Wang Ramirez. Autores de uma linguagem que cruza hip-hop, ballet e movimentos de artes marciais, a dupla Honji Wang e Sébastien Ramirez tem construído, desde 2010, um sólido percurso que os tem levado a alguns dos principais centros de dança mundiais. A companhia Wang Ramirez estreia-se em Portugal com “EVERYNESS”, peça que traz para o palco o tema das relações humanas, seja a amizade ou o amor romântico.