A queda do Muro de Berlim em debate em Serralves

30 anos depois, que balanço se pode fazer das transformações culturais, políticas e económicas resultantes da desintegração da União Soviética e da reunificação alemã?

A queda do Muro de Berlim, faz agora 30 anos, marcou não só o fim da União Soviética, mas também extraordinárias transformações, tanto na Europa como na ordem internacional. A democracia liberal apareceu nos anos que se seguiram como um regime sem verdadeira alternativa e o projeto da Casa Comum Europeia de Gorbachev uma utopia ao alcance dos europeus. Não foi, no entanto, o “fim da História” que alguns previam e o debate sobre a crise da democracia liberal está na ordem do dia.

Francisco Mendes da Silva, dirigente do CDS-PP; Ilda Figueiredo, Vereadora Câmara Municipal  do Porto pelo PCP; Jorge Campos, antigo deputado pelo Bloco de Esquerda; Paulo Rangel, Deputado ao Parlamento  Europeu PSD e Tiago Barbosa Ribeiro, Deputado PS compõem o painel do debate que acontece em Serralves. Álvaro Vasconcelos é o moderador.

Um evento organizado pela Fundação de Serralves, com a colaboração do Fórum Demos, CEIS20 da Universidade de Coimbra, Reitoria da Universidade do Porto e Universidade Lusófona do Porto.