Aclamado Pianista internacional Luís Magalhães toca na Casa de Vilar

A Casa de Vilar quer ser novo espaço de referência cultural no Porto e começa em grande estilo. Já este domingo, 31 de março, Luís Magalhães, um dos pianistas, a solo, e músico de câmara, mais aclamados a nível internacional, dá um concerto. A entrada é livre.

Luís Magalhães é descrito pela “American Record Guide” por possuir um “som maravilhosamente completo” e com uma “técnica polida e refinada”, pela “Allmusic.com. Considerado um artista de renome mundial, tendo sido nomeado “Artista Internacional da Yamaha”, o músico viaja este domingo até à cidade do Porto para um concerto de entrada livre. Este evento insere-se na apresentação da nova imagem e posicionamento da Casa de Vilar.

O programa do concerto de Luís Magalhães na Casa de Vilar inclui: Beethoven: Bagatelles op. 126, com os andamentos: Andante con moto, Cantabile e com piacevole; Allegro; Andante, Cantabile e grazioso; Presto; Quasi allegretto e Presto – Andante amabile e con moto. Segue-se Schubert: Drei Klavierstücke – D.946 , com os andamentos: Allegro assai. Andante e Allegro.

Na segunda parte do concerto teremos Ravel: Miroirs com Noctuelles; Oiseaux tristes; Une barque sur l’océan; Alborada del gracioso e La vallée des cloches. Para encerrar o pianista português apresenta Scriabin: Vers la flame.

Nascido em Portugal, Luís Magalhães desenvolveu uma carreira internacional como pianista, a solo, ou como músico de câmara, além de se ter estabelecido como professor na Universidade Stellenbosch, em África do Sul.

Luís Magalhães conta com um vasto leque de atuação por toda a Europa, com concertos recentes na Alemanha, Áustria, Reino Unido, Portugal, Suíça, Espanha, França, Itália, entre outros. Além da Europa, já atuou no Brasil, África do Sul, China, Japão, Zimbábue, Moçambique e em várias ocasiões, nos Estados Unidos.

O pianista português é também um músico de estúdio e já colaborou com muitos artistas notáveis como Frank Stadler (violino), Daniel Rowland (violino), Madeline Adkins (violino), Priya Mitchell (violino), Gareth Lubbe (viola), Julian Arp (violino) violoncelo) Peter Martens (violoncelo) e James Austin Smith (oboé).

A Casa de Vilar tem ao dispor da comunidade um dos maiores auditórios da cidade do porto. O auditório tem 1280 lugares sentados e condições para acolher qualquer tipo de evento. A boa acústica deste auditório é uma referência para espetáculos de televisão, peças de teatro, concertos de música, apresentação de livros, festas de natal e eventos variados. O auditório apresenta excelentes condições para a produção dos espetáculos com régie e cabines para tradução em simultâneo.

Para além da vertente artística, a Casa de Vilar tem alojamento com 120 quartos, um restaurante e várias salas para acolher congressos, encontros e/ou reuniões.

Situada no coração do Porto, a Casa de Vilar oferece a todos os visitantes um espaço de conforto, requinte e qualidade. A sua localização, com uma vista privilegiada sobre o rio Douro, é uma das vantagens e atrações para a descoberta do centro histórico, dos monumentos e dos pontos turísticos do Porto.

Sob a responsabilidade da Diocese e atualmente com a gestão direta do novo ecónomo, Pe. Samuel Guedes, a Casa de Vilar entra numa nova fase da sua história e pretende ser um centro de referência cultural e turístico no centro da cidade do Porto, com uma agenda de iniciativas e ações diferenciadas.