“Anda a Roda: obras da coleção de Serralves” no Museu da Misericórdia

A exposição "Anda a Roda: obras da coleção de Serralves" é organizada pelo Museu de Arte Contemporânea de Serralves em colaboração com o MMIPO- Museu da Misericórdia do Porto, comissariada por Ricardo Nicolau, curador do Museu de Serralves, e coordenada por Isabel Braga.

Tem lugar hoje, 16 de julho, pelas 19h00, no Museu da Misericórdia do Porto (MIIPO), a cerimónia de inauguração da exposição “Anda a Roda: Obras da Coleção de Serralves” que contará com as presenças de António Tavares, Provedor da Santa Casa da Misericórdia do Porto, da Presidente da Fundação de Serralves, Ana Pinho e dos artistas Gerardo Burmester e Rui Chafes.

Noções de tempo, a perceção da sua passagem e a sua relação com a consciência da finitude humana são temas que têm sido recorrentemente explorados por diversos artistas contemporâneos. Esta exposição apresenta cinco perspetivas singulares sobre a ideia de temporalidade, assentes na circularidade e alheias a cronologias e a sucessões: a consciência da passagem do tempo através da apresentação de ações repetitivas (Bruce Nauman), circulares, aparentemente despropositadas (Ana Jotta); o confronto com o termo da vida (Thomas Schütte); o estabelecer de pontes entre a contemporaneidade e referências longínquas com o objetivo de revelar o impulso essencial e transversal a tempos e tendências na génese da prática artística (Rui Chafes); ou a imposição da obra de arte como objeto inclassificável (entre arte e design, entre pintura e escultura) e de impossível datação (Gerardo Burmester).

Estes cinco artistas estão neste momento representados na exposição Zéro de Conduite no Museu de Serralves. Anda a roda, para além de estabelecer uma relação de complementaridade com a programação de Serralves, permitindo aos visitantes do MMIPO um possível primeiro contacto com a Coleção da Fundação, dá a conhecer facetas destes artistas que não são exploradas em Zéro de conduite, ampliando decisivamente as leituras das práticas artísticas de Gerardo Burmester, Rui Chafes, Ana Jotta, Bruce Nauman e Thomas Schütte.

Tornar a sua Coleção acessível para além das portas de Serralves reflete-se num rico e diversificado programa de exposições de itinerâncias e coproduções nacionais e internacionais. Através das itinerâncias nacionais realizadas através de parcerias com diversas instituições, empresas e autarquias de todo o país, Serralves promove o alargamento da rede de acesso e de aproximação das populações locais à arte contemporânea e à cultura. Com esta iniciativa, no MMIPO, museu incontornável da cidade do Porto, o Museu de Arte Contemporânea de Serralves disponibiliza ao público a fruição da exposição.