As Famílias que brincam mais são mais felizes

A LEGO desenvolve estudo para apurar a importância de brincar para as famílias.

A investigação LEGO® Play Well estudou quase 13 mil pais e crianças de nove países diferentes para perceber “como se brinca” hoje em dia e encorajar a discussão sobre este tema de grande importância.

O Estudo revela uma forte relação entre as horas passadas a brincar em conjunto e a felicidade das famílias, com nove em cada dez famílias que brincam cinco ou mais horas semanais a afirmarem que são felizes, enquanto entre as famílias que brincam menos, só sete em dez se assumem como felizes.

Brincar torna as famílias mais felizes, mais coesas e menos stressadas, no entanto, mais de um terço (38%) admite ter dificuldades em conjugar os horários de ambos os pais e das crianças para o fazer. As horas disponíveis para brincadeira são cada vez menos e, por isso, apenas um terço das famílias consegue dedicar cinco ou mais horas a brincar por semana, sendo que 10% das famílias passa menos de duas horas a brincar em conjunto. Mesmo nas famílias que se juntam para brincar, 61% dos pais admite que se deixa distrair por outras coisas, como o trabalho, tarefas domésticas ou os sempre presentes smartphones.

Mais alarmante é o facto de uma em cada cinco crianças dizer que está demasiado ocupada para brincar, enquanto quatro em cada cinco afirmar que queriam que os seus pais tivessem mais tempo para o fazer.

O Estudo relata uma mudança geracional na forma de brincar e as preocupações que esta provoca. Enquanto os pais ainda se preocupam com a segurança e a sociabilização do digital (estando 88% preocupados com a segurança online e 72% temendo que a tecnologia torne as crianças menos habilitadas a pensar por si próprias), a próxima geração, sugere a investigação, está a ensinar-nos a abraçar as oportunidades únicas que a tecnologia nos traz.

LEGO

As crianças são as pioneiras de um novo tipo de brincar mais fluído, entrando naturalmente em brincadeiras que juntam o mundo real, o imaginário e o digital. Para eles isto é “simplesmente brincar”.

O Estudo LEGO Play Well revela, ainda, que o aumento da integração do digital não prejudica o brincar em conjunto, uma vez que a maioria das crianças (81%) prefere brincar com os pais do que sozinhas e 72% prefere brincar presencialmente com os amigos a jogar online.  Apesar das preocupações, os pais mostram sinais de adotar o mindset das suas crianças, com mais de metade (59%) a acreditar que a tecnologia também pode juntar a família e 77% a acreditar que as brincadeiras digitais também podem ser criativas.

O poder de brincar para a aprendizagem nas crianças é irrefutável para os pais. Quase todos (95%) acreditam que brincar é essencial para o bem-estar das crianças e vital enquanto ferramenta na educação. 82% acredita que crianças que brincam serão mais bem-sucedidas nos estudos e no trabalho.

Os pais classificam as brincadeiras lúdicas (76%) como a técnica educacional número um, à frente da leitura de livros (67%), aprendizagem em sala de aula (55%), interagir com os amigos (65%) e a internet (22%). Mais importante ainda, quatro em cinco das crianças (83%) concordam que aprendem melhor quando envolve brincar.

Os adultos e as crianças sentem igualmente os benefícios de brincar em conjunto. Os pais dizem que brincar é bom para o seu próprio bem-estar (91%) e felicidade (72%) e que, inclusivamente, se sentem mais relaxados (86%) e ligados aos filhos (64%). Quase todas as crianças inquiridas disseram que brincar as faz sentir felizes (93%) e as ajuda a relaxar depois de um longo dia de escola (87%).

Julia Goldin, CMO do Grupo LEGO, diz: “O que é maravilhoso no ato de brincar é que evolui e muda com cada geração, mas os seus benefícios mantêm-se constantes. O Estudo mostra que o digital, oferece novas oportunidades para brincar de forma imersiva. Vamos continuar a evoluir a experiência LEGO para integrar mais e melhor o físico e o digital, de forma a assegurar que as crianças continuam a beneficiar de brincadeiras lúdicas. Brincar continua a ser essencial para as crianças e nós temos um papel ao ajudar os pais a providenciar a melhor experiência possível para as suas crianças.”

Resta dizer que todas as conclusões do Estudo (a não ser as referenciadas de outra forma) foram recolhidas através de um inquérito online de 20 minutos feito em nove países (China, Dinamarca, França, Alemanha, México, Rússia, Espanha, Arábia Saudita, Reino Unido e Estados Unidos da América), entre Fevereiro e Março de 2018. Responderam a este inquérito um total de 9249 pais de crianças entre os 1,5 e os 12 anos e 3723 crianças entre os 5 e os 12 anos.

O Estudo vai ser usado pelo Grupo LEGO para inspirar e desenvolver os construtores de amanhã através da brincadeira. O Estudo convida os seus leitores a usar as suas conclusões, lançar o debate sobre o que realmente significa brincar bem, a continuar a pesquisar e a explorar novas maneiras de inspirar e equipar as crianças e as suas famílias com as ferramentas, tempo e espaço necessários para brincar.