Associação entre peso e cancro é maior para mulheres mais novas

Quanto mais nova é a mulher, maior é a associação entre o peso e o cancro – é pelo menos esta a conclusão que se pode extrair do estudo do Institute of Cancer Research, de Londres.

Sabe-se que a obesidade representa um potencial risco para o desenvolvimento de cancro, no entanto, aponta-se que as mulheres mais magras contam com quatro vezes mais risco de contrair a doença, em específico cancro da mama. É certo e sabido que a obesidade é a doença do século. A má alimentação e sedentarismo tão comuns na atualidade conduzem, entre inúmeros outros problemas, à possibilidade de vários tipos de cancro, como o do cólon-retal, do endométrio, esófago, vesícula biliar, rins, mama, e muitos outros.

Em particular, o risco de cancro da mama, o Institute of Cancer Research, de Londres, refere que no caso de mulheres com menos de 54 anos de idade, o risco de desenvolver tumores cancerígenos na mama é maior em mulheres mais magras. Já no caso de mulheres com mais de 54 anos, a que se relaciona a menopausa, o risco inverte-se sendo superior em mulheres com excesso de peso.

Foram analisadas mais de 750 mil mulheres e é dessa amostra que advêm os resultados. O estado de saúde dessas mulheres foi acompanhado por nove anos. Mas a verdade é que ainda não se encontrou uma justificação para esta tendência.

Serão portanto necessários mais estudos para se perceber o porquê deste efeito em mulheres mais novas. Mas ainda assim, mantém-se a necessidade de encorajar todas as mulheres manterem uma alimentação saudável.

A pensar destas revelações, sabe-se, à partida, que o excesso de peso não é, em nenhum caso, encarado como meio de proteção contra o cancro.