Aurora Negra vence 2ª edição da Bolsa Amélia Rey Colaço

O projeto Aurora Negra, de Cleo Tavares, Isabél Zuaa e Nádia Yracema venceu a 2ª edição da Bolsa Amélia Rey Colaço, uma iniciativa promovida pelo Teatro Nacional D. Maria II, o Centro Cultural Vila Flor, O Espaço do Tempo e o Teatro Viriato.

Criada em 2018, em homenagem à atriz e encenadora Amélia Rey Colaço, pelo seu importante papel na História do Teatro Português, esta Bolsa destina-se a apoiar a produção de espetáculos de jovens artistas e companhias emergentes, promovendo a renovação da criação teatral portuguesa.

Aurora Negra foi o projeto eleito pelo júri desta edição da Bolsa, composto por Magda Bizarro (Assessora Artística do TNDM II), Paula Garcia (Diretora Geral e de Programação do Teatro Viriato), Rui Horta (Diretor Artístico do EdT) e Rui Torrinha (Diretor Artístico do CCVF). Neste espetáculo, vemos três mulheres sem lugar numa busca pelas raízes mais profundas e originais das suas culturas. Cada uma, na sua singularidade, tem a certeza deste encontro poder representar um ponto de viragem, um novo lugar, uma Aurora Negra.

Com um montante pecuniário de 22.000€, a Bolsa Amélia Rey Colaço destina-se a apoiar a produção do espetáculo vencedor, que terá ainda acesso a 5 residências artísticas, que totalizam 9 semanas de trabalho. A estreia de Aurora Negra terá lugar no O Espaço do Tempo, em Montemor-o-Novo, em maio de 2020, seguindo-se depois apresentações no Teatro Viriato, no Teatro Nacional D. Maria II e no Centro Cultural Vila Flor.

O anúncio do vencedor da 2ª edição da Bolsa Amélia Rey Colaço realizou-se na passada sexta-feira, dia 10 de maio, após a estreia de Parlamento Elefante, o espetáculo vencedor da 1ª edição desta Bolsa, em cena na Sala Estúdio do D. Maria II até ao próximo dia 19 de maio.