Candidíase Vaginal – causas, sintomas e tratamento

A candidíase vaginal é uma infecção ginecológica provocada, habitualmente, pelo fungo candida albicans. Cerca de 75% das mulheres terão esta infeção ao longo da vida e até 50% terão dois ou mais episódios.

A candidíase não é uma infeção transmissível por via sexual. O fungo candida albicans é um microorganismo que habita na flora comensal da região perineal, perianal e intestino e que, por norma, não causa sintomas. Quando este microorganismo cresce e se multiplica de forma desproporcionada, aparecem os sintomas e a infeção de nome candidíase.

Existem alguns factores de risco claramente identificados para o aparecimento de candidíase tais como: a “Diabetes Mellitus” mal controlada, a toma de antibióticos, a imunossupressão (diminuição das defesas por toma de medicamentos ou doenças) e a alteração dos níveis estrogénios (gravidez, uso de contracepção hormonal, menopausa).

Existem ainda alguns outros fatores de risco menos claros, por vezes inconsistentes e, com evidência fraca em vários estudos científicos, como: o uso de diafragma e esponjas vaginais, o uso de tampões e /ou pensos higiénicos, roupas apertadas e sintéticas e uso de biquíni molhado. De qualquer forma, no caso de infeções recorrentes, deve ser avaliado individualmente a existência de algum fator predisponente.

O sintoma mais típico da candidíase é prurido intenso (comichão). Por vezes também existe eritema ou vermelhidão da vulva e fissuras que causam dor e ardor. O corrimento branco, grumoso e espesso, “tipo requeijão”, também é característico.

O tratamento da candidíase deve ser efetuado apenas quando existem sintomas. O tratamento deverá ser individualizado e diferenciado para a candidíase não complicada ou complicada. As doentes com candidíase recorrente (4 ou mais episódios por ano) devem fazer tratamento mais prolongado.  Habitualmente, o tratamento tópico (em creme ou óvulos) tem a mesma eficácia que o tratamento por via oral. Está recomendado o tratamento do parceiro sexual somente quando este também tem sintomas.

Em resumo, a candidíase é uma infeção ginecológica muito frequente. Não é transmitida por via sexual, ou seja, não se “apanha de ninguém”. Os sintomas desta infeção tais como comichão, vermelhidão, dor e ardor são comuns a outras infeções vulvovaginais. Deverá, na presença de sintomas, ser observado pelo médico ou ginecologista assistente para melhor adequar o tratamento à situação em questão. Na presença de fatores de risco e/ou circunstanciais, estes devem, na medida do possível, ser evitados e controlados.