Capela de Idanha-a-Nova recebe prémio Architizer A+Awards

A Capela de Nossa Senhora de Fátima, em Idanha-a-Nova, no campo nacional de atividades escutistas, ganhou três galardões nos prémios internacionais Architizer A+Awards.

O prémio do júri foi atribuído por nomes ilustres da área da arquitetura, do design e das artes, enquanto o Prémio Votação Popular resultou das escolhas do público que visita o sítio na Internet, numa audiência superior a 400 milhões de pessoas.

“Finalista em duas categorias, a capela, um projeto do ateliê Plano Humano Arquitectos, recebeu o prémio do júri e o prémio do público na categoria Cultura – Edifícios Religiosos e Memoriais e o prémio do público na categoria Arquitectura em Madeira”, como explica, em comunicado, o Município de Idanha-a-Nova.

A Capela, inaugurada no Verão de 2017, durante o 23º Acampamento Nacional, tem sido destacada em publicações e prémios nacionais e internacionais de design e arquitetura.

O ateliê explica no seu site que a inspiração para esta capela “nasceu do âmago da experiência escutista: a vida ao ar livre, o acampamento, a tenda, a sobriedade e simplicidade das construções e estilo de vida. Também as extremas do edifício, de forma pontiaguda, fazem uma alusão ao lenço escutista, símbolo da promessa e compromisso neste movimento”. Uma estrutura de madeira e zinco que “confere um aspecto exterior simples e protetor”, um ambiente “confortável e acolhedor no interior”; um comprimento total de 12 metros e uma altura máxima de 9; a estrutura de 12 vigas numa alusão aos Apóstolos de Jesus Cristo, confere a este projeto uma singularidade que este prémio reconhece e consagra.

Mas há mais projetos portugueses premiados, a saber: o projeto Espigueiro-Pombal do Cruzeiro, do arquiteto Tiago do Vale; a sede da Vieira da Almeida, do gabinete Openbook, e a Casa Carrara, de Mário Martins. O Centro Hípico de Pedras Salgadas do atelier RA – Rebelo de Andrade esteve também entre os finalistas.