Carmen Morsch em Serralves

Serralves debate Educação, Colonialidade, Patriarcado e Feminilidade Branca. A 13 de maio, das 18h00 às 19h30.

A conferência de Carmen Morsch irá centrar-se em diferentes situações históricas e geográficas nas quais mulheres brancas anglófonas da classe média recorreram ao ensino das artes enquanto espaço de visibilidade e libertação de rígidos regimes morais. Desde muito cedo, a educação artística e, mais tarde, a educação em museus e galerias foi um dos poucos campos práticos em que mulheres brancas, de outro modo excluídas da esfera públicaburguesa numa sociedade patriarcal, encontraram a possibilidade de agir e de se comportar como cidadãos legítimos. A construção de uma alteridade inferior, classicista e racializada aparece assim como uma prática discursiva recorrente para justificar este lugar no domínio público.

As práticas de “maternidade social” e a relacionada construção de uma alteridade inferior e racializada na educação em museus e galerias perduram até aos dias de hoje. Relativamente a esta continuidade será colocada a questão: será de todo possível concebê-la como uma prática antidiscriminatória?

NOTA BIOGRÁFICA:

CARMEN MÖRSCH criou o coletivo e-a-r (education and arts research), conjuntamente com Nora Landkammer. É membro da “Another Roadmap for Arts Education”, foi diretora do Institute for Art Education na Zurich University of the Arts (Suíça) e professora de Educação e Cultura Material na Carl von Ossietzky University Oldenburg. É investigadora visitante em diversas instituições internacionais, e coordenadora do programa de Doutoramento “Art Education” da University of Applied Arts in Vienna.

A conferência será realizada em inglês, com tradução simultânea em português.