Cientistas tentam entender o momento de adormecer

Um grupo internacional de investigadores da Universidade de Cambridge está a tentar descobrir o que realmente acontece quando se faz a transição do estar ‘acordado’ para o sono.

Na análise, divulgada pela BBC News, os académicos estão a investigar como uma pessoa consciente, controlada e totalmente acordada fica súbita e totalmente inconsciente quando dorme e sonha. Os cientistas também querem entender se o momento do sono é mesmo um dos mais criativos do dia.

“Algumas pessoas adormecem muito rápido, outras demoram mais tempo”, diz Sridhar Rajan Jagannathan, investigador de Chennai, na Índia. Essa ‘transição’ geralmente dura entre cinco e 20 minutos, segundo Jagannathan, que é um dos bolsistas de Cambridge.

Mas o comportamento no momento de adormecer pode variar substancialmente de pessoa para pessoa. “Alguns começam a ficar sonolentos, mas de repente voltam ao estado de alerta”, refere Jagannathan. Estes indivíduos parecem oscilar entre os impulsos de dormir e ficar acordado, o que faz com que o início do sono seja mais agitado.

Tristan Bekinschtein, outro dos investigadores envolvidos, descreve esses momentos entre dormir e acordar como uma ‘névoa de consciência’. São aqueles momentos em que os olhos ficam meio fixos, com o pensamento distante, e a atenção se torna mais vaga, e a consciência se vai perdendo aos poucos.

Jagannah alerta ainda para os chamados lampejos de sono e o perigo que estes episódios podem constituir no dia a dia. “Esses pequenos lampejos de sono podem causar grandes problemas”, reforça. Não é só uma questão de segurança para tarefas como conduzir, mas para qualquer coisa em que a concentração e a tomada de decisões sejam importantes.

Atualmente os investigadores estão a estudar como o tempo de resposta de um indivíduo varia conforme este entre nessa zona de sono, e estão também a tentar entender porque motivo ocorrem mais acidentes entre pessoas destras. Existe também a esperança de que esses estudos sobre a atividade cerebral durante o processo de adormecer e acordar possam ajudar vítimas de AVC a recuperar funções físicas perdidas.

Há ainda uma relação positiva entre adormecer e um aumento prévio da criatividade e da imaginação.”As inibições são menores quando se está nesse estado de transição. Tornando-o por sua vez mais criativo”, diz Jagannathan. “Sente mais liberdade para se expressar. Aliás é como se estivesse mais disposto a arriscar”, explicou.