De pequenino se aprende o swing

Orquestra Jazz de Matosinhos tem este ano um ambicioso programa educativo que inclui ações com escolas e famílias, envolvendo mais de mil e cem pessoas.

O escritor argentino Julio Cortázar amava o jazz por ser a “música que permite todas as imaginações”. As virtudes lúdicas e criativas deste género musical vão poder ser comprovadas durante o ano de 2019 pelas mais de mil e cem pessoas que vão estar envolvidas no ambicioso programa educativo da Orquestra Jazz de Matosinhos. Os ensaios da Orquestra de Famílias de Matosinhos já começaram e vai também haver concertos de jazz em pré-escolas, crianças a aprender a improvisar, ateliers de música digital ou concertos que juntam a comunidade escolar e os músicos da mais conceituada big band portuguesa.

Com 22 anos de existência, acabados de celebrar, a OJM vai, assim, intensificar a sua relação com a comunidade de Matosinhos (e não só), beneficiando das potencialidades das novas instalações no centro cultural da Real Vinícola, onde está também instalada a Casa da Arquitectura-Centro Português de Arquitectura.

A nova sala-estúdio do Centro de Alto Rendimento Artístico da orquestra já começou a receber as sessões da Orquestra de Famílias de Matosinhos, que conta com 120 participantes. Ao longo de 22 fins-de-semana, e a um ritmo quinzenal, pais, filhos, avós, primos e tios vão poder criar, cantar e tocar os mais variados instrumentos, num ambiente descontraído e bem-disposto. A orquestra de famílias vai ainda realizar dez sessões mensais abertas a quem queira acompanhar os progressos deste feliz encontro de gerações, assim como três apresentações públicas. Para os artistas lá de casa que pretendam melhorar o canto, estão ainda previstas duas sessões da iniciativa Singing Circle.

https://www.facebook.com/ojazzm/videos/230080684568723/

A todo o vapor avançam também os ensaios da Grande Pesca Sonora, uma iniciativa que junta os músicos da OJM e oitenta alunos das escolas Augusto Gomes, Gonçalves Zarco e Abel Salazar, de várias faixas etárias. O resultado final desta iniciativa, já com alguns anos de existência, é um espetáculo que será apresentado em maio, no espaço da antiga tanoaria da Real Vinícola.

Também em ambiente escolar decorrerão os concertos de jazz em dez estabelecimentos de ensino pré-escolar, que permitirão o primeiro contacto com o swing e com a fantasia do jazz a um total de 150 crianças. Outros 350 alunos, de quatro escolas do concelho, vão participar, a partir de março, nas 42 sessões da iniciativa CIMA-Crianças Improvisadoras de Matosinhos, que iniciarão os mais novos nos princípios básicos da improvisação que caracterizam este género musical.

Numa vertente mais tecnológica, a Orquestra Jazz de Matosinhos vai acolher dez jovens formandos no software Myjazzband, desenvolvido pela OJM e que permitirá criar um concerto digital de jazz improvisado, demonstrando que a tecnologia não tem de ser inimiga da criatividade. O programa educativo da OJM inclui ainda um curso de programação em Python, que explora as relações entre a matemática, a criação musical e a composição.