Depilação íntima integral – sim ou não?

Muitas mulheres questionam-se quanto aos benefícios e/ou malefícios da depilação intima integral na saúde, na higiene e na sexualidade...

A região genital tem características particulares pela sua anatomia e configuração, localização e função. A distribuição da pilosidade genital varia de acordo com o género, tendo, na mulher, habitualmente, um formato triangular. Habitualmente, os primeiros pelos púbicos aparecem ainda antes do início da primeira menstruação e fazem parte do desenvolvimento sexual normal. Após a menopausa, por norma, tornam-se mais rarefeitos

Teoricamente, considera-se que os pelos na região genital têm a função de proteção às infeções; contudo, este facto nunca foi demostrado pela investigação científica.

A depilação parcial ou total assim como a sua evicção deve ser uma escolha individual e dependerá exclusivamente do gosto da mulher.

Muitas mulheres questionam-se quanto aos benefícios e/ou malefícios da depilação intima integral: será que existe mais propensão a infeções?; a higiene melhorará? e na função sexual existem alterações?.

A resposta às duas primeiras questões é NÃO. Como referido anteriormente, não existe mais propensão a infeções nem a higiene local é melhorada. No entanto, a mulher deve ter atenção à técnica de depilação utilizada. O uso de cremes depilatórios pode ser agressivo para peles mais sensíveis assim como o uso de lâmina depilatória pode causar erosões e cortes da pele, provocando desconforto e inflamação locais. Em relação à cera depilatória, há que ter atenção, essencialmente, à temperatura utilizada para evitar queimaduras. As técnicas definitivas, como o laser, se efetuadas sobre controlo e supervisão médica, parecem atrativas, dada a sua segurança e menor frequência de utilização. A Sociedade Portuguesa de Ginecologia emite uma recomendação no seu documento “Consenso de Infeções Vulvovaginais” dizendo que  “a frequência deve ser a menor possível… Uma boa opção será aparar o pelo púbico sem rapar”.

Quanto à função sexual e repercussões nesta, a resposta não é  tão clara. A função e satisfação sexual varia com inúmeros fatores. Se, como opção individual, a depilação contribuir para uma maior aceitação do corpo da mulher e maior à-vontade com a sua sexualidade terá naturalmente um efeito benéfico na sua função sexual.

Em resumo, a depilação íntima integral é uma opção individual da mulher e varia de acordo com o seu gosto e preferência. Exceção será feita às mulheres com patologia vulvar que devem questionar e aconselhar-se sempre com o seu ginecologista assistente.