Dezembro quente na Casa da Memória em Guimarães

Encontro sobre Património Cultural Imaterial, Visitas e Atividades para famílias aquecem o mês de dezembro na Casa da Memória em Guimarães.

Guia de Visita com Jean-Yves Durand, Visita-Palestra com Duarte Belo à exposição “Depois do tempo”, 2ª edição do “Em Concreto”, e Domingos em Casa para toda a família, preenchem de cor e alma o último mês do ano da Casa da Memória de Guimarães (CDMG).

Antropólogo e professor da Universidade do Minho, Jean-Yves Durand é o Guia de Visita de dezembro da Casa da Memória. Durand tem desenvolvido um vasto trabalho na observação das relações entre políticas públicas e atitudes individuais/coletivas em áreas da cultura (museus, artesanato, festas) e da saúde (a vacinação). Foi docente convidado na École du Louvre, diretor do Museu da Terra de Miranda e coordenador do estudo das Festas Nicolinas – uma temática que naturalmente estará em destaque nesta visita à CDMG, marcada para o dia 1 de dezembro, às 17h00.

No dia 12, os alunos do Curso de Geografia e Planeamento da Universidade do Minho terão oportunidade de conhecer a exposição “Depois do tempo” através de uma Visita-Palestra orientada por Duarte Belo. “Depois do tempo” percorre um hiato temporal de 30 anos, desde uma primeira fotografia, feita em abril de 1988, até ao presente. Aqui procura-se descrever uma cidade e a sua paisagem envolvente. Estas Visitas-Palestra, orientadas por Duarte Belo, desafiam o olhar sobre a fotografia como registo topográfico da paisagem e, simultaneamente, como representação artística, estimulando o espírito de investigação e de criação dos mais jovens e sensibilizando para a   importância da memória e da identidade de um povo e de um território.

Nos dias 13 e 14 de dezembro, A Oficina e o Centro em Rede de Investigação em Antropologia – UMinho, em colaboração com o Instituto de Etnomusicologia – Centro de Estudos em Música e Dança (INET-md), organizam a 2ª edição do “Em Concreto”, um encontro que tem como objetivo juntar funcionários de instituições culturais, decisores políticos, investigadores, participantes em iniciativas patrimoniais locais, e propor um esforço de reflexão e criatividade aplicadas a uma intervenção etnográfica centrada nas dinâmicas sociais e culturais contemporâneas.

A noção de “património cultural imaterial”, instituída há pouco mais de 10 anos, tem suscitado uma grande atenção por parte da sociedade portuguesa. Numerosos instrumentos, projetos e formações, num quadro institucional ou particular, têm tentado responder a este interesse. Estas iniciativas são agora suficientemente numerosas e desenvolvidas para permitir uma tentativa de confrontação das expetativas e das experiências com a realidade que encontram e constroem no terreno.

É precisamente este o mote do “Em Concreto (2)”, que terá lugar nos dias 13 e 14 de dezembro, primeiro no Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) e depois na Casa da Memória de Guimarães (CDMG).  Adelina Paula Pinto, Presidente da Direção d’ A Oficina, fará as honras de abertura do encontro, estando previstos quatro painéis ao longo do primeiro dia: “Expetativas, experiências, perspetivas dos municípios”, às 09h45; “Expetativas, experiências, perspetivas dos investigadores”, às 11h00; “Expetativas, experiências, perspetivas das comunidades”, às 14h30; e “As perspetivas e o papel da UNESCO”, às 15h30. Um dos destaques da conferência será a apresentação do Estudo Antropológico das Festas Nicolinas de Guimarães, por Jean-Yves Durand, marcada para as 16h00. O primeiro dia do encontro terminará por volta das 17h00 com uma visita à festa de Santa Luzia. O dia 14 de dezembro será exclusivo para investigadores/instituições que, neste momento, se dedicam a processos de inventariação do património cultural imaterial. Vários convidados vão reunir-se na Casa da Memória para refletir sobre os pontos em debate no dia anterior e procurar propostas para uma reformulação do dispositivo português de inventariação. A participação no “Em Concreto (2)” é gratuita, estando apenas sujeita a inscrição prévia até ao dia 2 de dezembro, através do formulário disponível no site www.casadamemoria.pt.

Como habitualmente, o penúltimo domingo do mês traz-nos atividades para toda a família. No Domingos em Casa de dezembro, dia 16, às 11h00, vamos partir das histórias da Casa da Memória, das suas imagens e fotografias, dos seus textos e expressões, para criar fanzines personalizadas, através de um processo de impressão manual e escrita criativa. Com fotocópias, solvente, papel e, sobretudo, criatividade testamos esta técnica de transferência de imagens para partilhar memórias e outras ideias. Orientado por Maria Côrte-Real, este Domingos em Casa é dirigido às crianças a partir dos 6 anos de idade, estando sujeito a inscrição prévia até ao dia 13 de dezembro através do telefone 253424700 ou do e-mail mediacaocultural@aoficina.pt.