Dia da Escrita à Mão

Neuroinvestigadores e psicopedagogos afirmam que escrever à mão tem vantagens evidentes em relação ao uso do teclado, além de tratar-se de uma prática relaxante.

O “Relatório sobre a Escrita na Era Digital” elaborado pela BIC reúne uma análise levada a cabo por vários especialistas onde se destaca a importância da escrita manual e apresenta dez hábitos para melhorar a caligrafia. O auge do lettering, o regresso do diário pessoal, assim como novos passatempos ou hobbies, como o bullet journal, confirmam que a escrita através de esferográficas ou marcadores é uma tendência que tem vindo a crescer.

10 conselhos para melhorar a escrita

A prática leva à perfeição e, por isso, os especialistas da BIC compilaram os principais hábitos que ajudam a criar as bases para o aperfeiçoamento da caligrafia:

  1. Procure o momento adequado para praticar. Dedique cerca de 20 minutos por dia a praticar a nova letra com absoluta dedicação e concentração. É importante que este momento não seja partilhado com outras atividades.
  2. Escolha um ambiente agradável, sóbrio e cómodo. Não tenha em redor mais do que o necessário: papel, esferográfica e vontade de melhorar.
  3. Escreva com a mesma calma com que respira e não retenha a respiração. Tenha em conta que uma parte muito importante da beleza e qualidade da escrita é marcada pelo ritmo do tracejado. Tente encontrar uma cadência nos traços que lhe seja confortável. A mão não deve ter um ritmo mais acelerado do que o cérebro para que não perca o controlo. Considere a possibilidade de converter este momento de relaxamento numa nova forma de meditar e de bem-estar.
  4. Mantenha a postura adequada. Certifique-se de que tem espaço para apoiar os braços e evite cruzar as pernas. Mantenha os pés assentes no chão e as costas sem tensão. Tente escrever com os pés à frente da cadeira, as costas direitas, e incline ligeiramente o papel para a esquerda ou direita consoante a mão utilizada.
  5. Preste atenção ao papel. Coloque três ou quatro folhas de papel por baixo da folha a usar para que formem um pequeno colchão. Por outro lado, escrever sobre um bloco demasiado grosso pode distorcer a letra.
  6. Escolha a esferográfica ou lápis adequado (e agarre-o corretamente). Normalmente tendemos a segurar a esferográfica formando uma garra, com os dedos dobrados e muito apertados, mas a melhor forma é com os dedos estendidos e o pulso direito, fazendo força a partir do ombro. A caneta deve descansar entre os dedos indicador e polegar. As esferográficas muito finas são mais difíceis de agarrar e podem cansar mais os músculos. Para que a mão tenha um melhor desempenho e evitar dores provocadas por longos períodos de escrita, é importante fazer breves exercícios aos músculos.
  7. Pratique os traços. Um dos truques é repetir linhas em ziguezague ou desenhar vários círculos pequenos e escrever letras no interior. O Pinterest pode ser uma fonte de vários exercícios.
  8. Tire tempo. Dedique meia hora por dia, durante seis ou oito semanas, até alcançar os resultados pretendidos. Para não desistir, estipule-os como um objetivo a longo prazo. É aconselhável começar com um ritmo lento e acelerar aos poucos. O primeiro passo é reduzir a velocidade da escrita. Em vez de se tornar monótono, este gesto permite dedicar a máxima atenção a cada traço tornando esta atividade muito relaxante. Assimule este momento com paz e tranquilidade, como uma espécie de mindfulness caligráfico.
  9. Use a criatividade. É importante para não cair no aborrecimento. Pratique usando repetições de frases com aliterações, copie letras de canções ou fragmentos de livros favoritos.
  10. Experimente os métodos clássicos. Entre os métodos mais populares encontra-se o de Spencer, utilizado em meados do século XIX nas escolas dos Estados Unidos e que atualmente voltou a ser famoso graças aos seus traços elegantes.