Dois novos museus na Rede Portuguesa de Museus

O Ministério da Cultura reconheceu hoje em Diário da República o Museu de Santa Maria de Lamas, na Feira, e o Museu da Irmandade dos Clérigos, no Porto, como novos membros da Rede Portuguesa de Museus.

Assinado pelo ministro Luís Filipe Castro Mendes, o despacho reconhece que os dois museus “reúnem todas as condições para integrar a Rede” e refere que isso contribuirá para a “promoção do acesso à cultura e enriquecimento do património cultural português”.

Fundado na década de 1950 pelo industrial corticeiro Henrique Amorim (1902-1977), o Museu de Santa Maria de Lamas acolhe os objetos multidisciplinares que, a título pessoal, esse vinha sujeitando a uma “recolha quase compulsiva” e dispondo ao estilo dos “gabinetes de curiosidades ou quartos das maravilhas europeus dos séculos XV a XVII”.

Desde a sua criação, o edificado complexo do museu sempre se destacou “pela quantidade, qualidade e variedade tipológica e temporal do seu espólio”, afirmando-se como “um caso particular na história da museografia portuguesa do século XX” e “recurso cultural e museológico único” – por marcar a história do colecionismo privado e pessoal de meados do século e retratar o mercado de arte e a museologia portuguesa ao tempo do Estado Novo.

Após uma intervenção científica de fundo que permitiu reorganizar o seu acervo, apresenta desde 2004 ao público coleções de diversos tipos de arte.

www.facebook.com/torreclerigos

O Museu da Irmandade dos Clérigos divulga património relativo ao conjunto arquitetónico dos Clérigos, que, classificado como Monumento Nacional desde 1910, integra a torre apontada como ‘ex-libris’ do Porto, a respetiva igreja e a Casa da Irmandade, musealizada em 2014.

Segundo fonte do próprio museu, “a igreja e a torre integram uma edificação do século XVIII de inspiração barroca, que, localizada numa rua desnivelada, mas genialmente aproveitada [pelo arquiteto italiano] Nicolau Nasoni, marcou a configuração urbana da cidade e conseguiu criar um edifício de referência”.

A missão do museu é agora “dar a conhecer ao visitante e ao mundo a história da Irmandade dos Clérigos e do seu famoso arquiteto”, num percurso em que se poderão admirar “diversas coleções de arte religiosa, com peças datadas do século XIII ao século XX, e também pintura, mobiliário, escultura, ourivesaria e paramentaria”.

Esta certificação é importante porque, além da maior notoriedade e valorização no quadro da realidade museológica nacional”, e da “uma maior cooperação e articulação institucional”, viabilizará “a possível candidatura a fundos nacionais e comunitários destinados exclusivamente a equipamentos integrados na Rede Portuguesa de Museus”, declaram os responsáveis destes museus.