Dragão tem morada especial em Espinho

O Museu começa 2020 a fazer a diferença com a iniciativa Nesta Casa Mora o Dragão. Depois de Alfândega da Fé e Marco de Canaveses, o Dragão viaja agora até Espinho. É já a partir de 24 de janeiro. A galeria do Centro Multimeios de Espinho acolhe este evento, que tem o apoio da Câmara Municipal de Espinho e, naturalmente, a colaboração da Casa do FC Porto de Espinho, a celebrar 20 anos de existência. A entrada é livre.

Nesta Casa Mora o Dragão é um projeto original do Museu FC Porto, pensado para envolver as Filiais e Delegações do FC Porto e disseminar memória e azul e branca por diferentes localidades e públicos. A iniciativa resulta numa exposição temporária de objetos, documentos e fotografias saídos das coleções do Museu e estreia-se em Espinho no dia 24, após passagens marcantes pelo Marco de Canaveses e Alfândega da Fé. A galeria do Centro Multimeios de Espinho acolhe este evento, que tem o apoio da Câmara Municipal de Espinho e, naturalmente, a colaboração da Casa do FC Porto de Espinho, a celebrar 20 anos de existência. Tal como nas edições anteriores, Nesta Casa Mora o Dragão também observa relação entre o FC Porto e as gentes locais através de factos, figuras e/ou curiosidades que fazem parte dos mais de 126 anos de história do clube. A exposição temporária é dirigida a todas as idades e a entrada é livre.

No dia 23 de janeiro tem lugar mais uma sessão de Dar Letra à Música – DLAM, com “Janeiro” que é só um dos fortes nomes emergentes da nova música portuguesa e criador das Janeiro Sessions, com episódios ainda preservados no You Tube e convidados tão ilustres como Miguel Araújo, Salvador Sobral e Ana Bacalhau. Na noite do DLAM, e além da participação no Festival da Canção da RTP de 2017, a convite de Sobral, há o álbum frag.men.tos para explorar e, possivelmente, algumas novidades para conhecer com Janeiro.

No Museu, a partilha de memória é fundamental e 2020 começa com evocações de momentos e figuras incontornáveis na história portista. O Objeto do Mês (patente até dia 31) apresenta no Hall um kimono de Alexandre Paiva, que introduziu o Yoseikan Budo no clube. Mas no dia 7, assinala-se 35 anos da morte do Mestre José Maria Pedroto com uma aula especial conduzida pelo professor José Neto e dirigida a alunos das licenciaturas e mestrados em Desporto do Instituto Universitário da Maia (ISMAI).

Já no dia 13, o auditório Fernando Sardoeira Pinto é o camarote VIP com vistas para o relvado do Estádio das Antas, onde, em janeiro de 1988, o FC Porto conquistou a Supertaça da UEFA. A projeção do jogo do título é perfeita para inspirar uma visita à exposição permanente, onde o troféu também cintila com o orgulho de ser o único que existe em Portugal.