“Empatia” no Espaço Amoreiras evoca ligação à natureza

A artista Patrícia Geraldes cria uma paisagem artificial feita a partir de destroços de madeira provenientes de catástrofes de 2018. A exposição “Empatia”, promovida pelo Edge Arts, pode ser visitada de 24 de janeiro a 7 de março, no Espaço Amoreiras, em Lisboa.

O Edge Arts promove a exposição “Empatia”, da artista Patrícia Geraldes que recria, ao longo do átrio do Espaço Amoreiras, uma paisagem de esculturas em madeira. Patrícia Geraldes recolheu da mata do Bussaco, fragmentos de madeira, provenientes da queda de árvores, causada por uma grande tempestade em 2018. A exposição que evoca uma viagem à natureza, complementada por uma experiência sensorial, onde os visitantes são convidados a experienciar através do toque, as esculturas, as texturas dos elementos, e a sentir os cheiros das madeiras das diferentes árvores. A artista possibilita que os visitantes interajam com a paisagem criada, deixando a cada visitante um exercício estético, que permite alterar a posição dos objetos em exposição.

“Empatia” oferece uma viagem sensorial, onde a construção arquitetónica e os elementos naturais oriundos de fragmentos das árvores de carvalho americano, pinheiro, bétula e choupo branco, se juntam para compor uma floresta imaginária. A mostra conta, também, com textos da autoria de Raquel Guerra.

A inauguração da exposição tem data marcada para o dia 24 de janeiro, a partir das 18h30, e estará vigente até ao dia 7 de março, no Espaço Amoreiras, em Lisboa.

Sobre a artista

Patrícia Geraldes (n. 1980). Vive e trabalha em Porto.

Patrícia Geraldes é formada em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Desde que terminou a sua licenciatura, em 2005, tem vindo a desenvolver um corpo de trabalho que parte da linguagem do desenho e se desdobra em peças de escultura e instalação.

No seu currículo encontramos exposições individuais e colectivas em Portugal, Índia, Espanha e Tunísia e nas colecções Sunaparanta Goa Center for the Arts; Luciano BenettonCollection; CAC Málaga – Centro de Arte Contemporânea.

Faz parte do colectivo de artistas Campanice sediado no Porto. Em 2018 integrou a exposição colectiva ‘Natura Sapiens’ na Galeria Ibirapi – Lisboa, 2017 participou no Projecto ‘A moment of blinking self-awareness (as a planetary force)’ de Gabriela Albergaria para a Bienal AnoZero– Coimbra.

Em 2016 apresentou a exposição individual ‘A Palavra fala uma língua que não é sua’, no Fórum da Maia. Realizou o projecto ‘Paisagem Intuída’, para o Kubikulo da Galeria Kubik, no Porto em 2014. Em 2011 apresentou a exposição individual ‘One Foreign Love’, no Sunaparanta Goa Centre for the Arts, Índia.

A artista já desenvolveu várias intervenções de Pública Arte, nomeadamente em Projecto Fantasmas – Manobras no Porto, Arcos de Miragaia, Porto (2012), na Red Gallery, no Jardim Garcia da Orta, Goa- Índia, em 2011 e em 2009, Le Soleil, em Sidi Bou Said, Tunis, na Tunísia.

Realizou várias residências artísticas internacionais, no Reino Unido, Portugal, India e Tunísia. Em 2019 realizará uma residência em Roma, na Arte Latitudo, através da plataforma Magic Carpet.