Está grávida? Não beba água de garrafas de plástico

Químico em garrafas de água, que também pode ser encontrado em embalagens de plástico e em latas de alimentos, eleva risco de parto prematuro até seis vezes, garante um estudo da Universidade de Harvard.

Um estudo, apresentado durante o encontro anual da American Society for Reproductive Medicine em Denver, desenvolvido pelos médicos da Escola de Saúde Publica de Chan, apurou ainda que os ftalatos, conhecidos como bisfenol A, um químico usado frequentemente nas embalagens de alimentos, duplicam o risco de nascimento prematuro.

O bisfenol A é utilizado no revestimento de algumas latas alimentares, em embalagens de plástico e garrafas de água, e afeta e perturba negativamente o bom funcionamento das hormonas.

As amostras de urina das mulheres analisadas e que continham níveis mais altos de bisfenol mesmo antes da conceção, apresentavam um risco até seis vezes maior de nascimento prematuro. Adianta-se, ainda, que o bisfenol esteja ainda relacionado com a incidência de inúmeros casos de cancro da mama e de asma.

 “A exposição a este químico é generalizada, já que se encontram em embalagens, bens de consumo, aparelhos médicos, garrafas de plástico, etc.”, explicou Jennifer Yland, que liderou o estudo.

Os cientistas creem que o químico provoque alterações nos óvulos femininos, suscetíveis de provocar a ocorrência de partos prematuros.

Cuide-se!