Estreias cinematográficas da semana

Na próxima semana, com estreias agendadas para 21 de junho, dos 10 filmes, metade deles são de produção europeia.

Quatro estreias são de produção europeia. Nada temos, obviamente, contra a produção cinematográfica americana, mas apraz-nos registar o volume e a qualidade do recente cinema europeu.

Desafio Ao Poder (Bram Fischer)

Com Peter Paul Muller no papel de Bram Fischer, este é um drama sul-africano sobre um delicado momento histórico daquele país, realizado por Jean van de Velde (realizador de “Wild Romance” e de “All Stars”), segundo um argumento de Matt Harvey, Dominic Morgan e Jean van de Velde. Do elenco fazem ainda parte Antoinette Louw, Sello Motloung e Sean Venter.

Em 1963, em pleno “apartheid”, a perda de direitos de milhões de cidadãos sul-africanos deu origem a revoltas populares que resultaram na detenção de todos os que revelassem atitudes antiapartheid. À medida que aumentavam os protestos crescia também a repressão e violência governamental. Quando dez homens, ligados à Aliança do Congresso, são presos por conspiração contra o governo, Bram Fisher, um advogado de origem afrikaner, decide seguir a sua consciência e defendê-los. O processo, conhecido como o “Julgamento de Rivonia”, e que decorreu em Pretória (subúrbios de Joanesburgo), entre 9 de Outubro de 1963 e 12 de Junho de 1964, condenou várias pessoas a prisão perpétua, entre elas Nelson Mandela (1918 — 2013), que, apesar dos muitos anos que passou na prisão, viria a tornar-se líder da África do Sul.

Western

Este drama sobre preconceito, rivalidade e poder, escrito, produzido e realizado pela alemã Valeska Grisebach (que assinou “És a Minha Estrela”, “Sehnsucht”), com a participação de Meinhard Neumann, Reinhardt Wetrek, Syuleyman Alilov Letifov, estreado na secção “Un Certain Regard” no Festival de Cinema de Cannes, é uma produção germano-bulgara-austríaca.

A construção de uma central hidroeléctrica leva um grupo de trabalhadores alemães a uma zona remota da Bulgária. Ali, a atitude de superioridade dos germânicos em relação aos habitantes locais, torna-os indesejados. A excepção é Meinhard, um homem tranquilo e pouco dado a excessos que, por isso mesmo, depressa começa a ser ostracizado pelos colegas e a ser estimado pela população local. Apesar das diferenças culturais e da barreira linguística, Meinhard, vai descobrir um sentimento de comunidade inédito que nunca tinha experienciado na sua própria terra…

A Escola da Vida (L’école Buissonnière)

Com argumento de Jérôme Tonnerre e Nicolas Vanier, um filme francês de aventura que conta com realização de Nicolas Vanier (“Bell e Sebastião”), tem o jovem Jean Scandel no papel de Paul e as actuações de François Cluzet, Eric Elmosnino, François Berléand e Valérie Karsenti, entre outros.

Paul é um rapaz órfão que, na década de 1930, depois de anos a viver num orfanato, é adoptado por Celestine e Borel, um simpático casal que vive numa zona rural e o acolhe como se fosse um filho. Inteligente e curioso, o pequeno adapta-se bem à sua nova vida, onde tem vastos campos por onde correr, animais para cuidar e pessoas que o amam e compreendem. Mas tudo se altera no dia em que conhece Totoche, um velho caçador com uma personalidade vincada que lhe vai revelar os mistérios da floresta.

A Livraria (The Bookshop)

Esta produção espanhola, britânica e alemã, com realização e argumento de Isabel Coixet (realizadora de “A Minha Vida sem Mim”, “A Vida Secreta das Palavras”, “Ninguém Quer a Noite”), com interpretações de Emily Mortimer, Bill Nighy, Patricia Clarkson e Hunter Tremayne, entre muitos outros, é a adaptação ao cinema da obra de Penelope Fitzgerald.

Na década de 1950, Florence Green, uma viúva culta e educada, chega à pacata cidade de Hardborough, no litoral da Inglaterra, e decide abrir uma livraria. Estranhamente (ou não), esta sua iniciativa vai importunar a vida da comunidade local, conservadora e fechada sobre si mesmo. Mas, ao dar-se conta da resistência da população, Florence toma a firme decisão de lutar contra todas as adversidades, mostrando a todos de que forma os livros podem mudar a mente e a vida das pessoas, abrindo portas para o mundo…