Eternizar Fernão de Magalhães em pintura mural

Centro artístico de Famalicão, A CASA AO LADO, e lusodescendentes vão eternizar Fernão de Magalhães em pintura mural no Bairro Português na Malásia.

Um muro com 10 metros de comprimento por 3 metros de altura – é esta dimensão escolhida para lembrar Fernão de Magalhães, numa homenagem que vai muito para além deste trabalho. Na verdade, “a iniciativa tem como objetivo criar um polo de referência turística e potenciar o empreendedorismo local, ensinando os participantes a produzir peças artesanais baseadas na imagem do mural artístico”, explica o centro artístico famalicense A CASA AO LADO. Este centro artístico vai orientar os lusodescendentes e a população local a residir no Bairro Português em Malaca (Malásia). Juntos vão prestar homenagem ao navegador Fernão de Magalhães, através de uma pintura mural baseada na azulejaria portuguesa a realizar num muro com 10 metros de comprimento por 3 metros de altura, situado no centro do Bairro Português em Malaca.

Designado “Um TRAÇO por Magalhães”, o projeto desenvolvido pelo centro artístico A CASA AO LADO, em parceria com a Associação Coração de Malaca, o Instituto Camões e o Movimento Internacional Lusófono (MIL), surge no âmbito das comemorações do quinto centenário da Primeira Volta ao Mundo, tendo como missão deixar uma “marca” da identidade portuguesa em diferentes comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo.

“Além de ajudar a requalificar o património municipal e local, a intervenção artística a realizar no Bairro Português em Malaca tem como objetivo criar um polo de referência turística que integre os roteiros da arte urbana do próprio bairro”, explica Joana Brito, diretora artística d’A CASA AO LADO.

Ainda no âmbito do projeto ‘Um TRAÇO por Magalhães’, refira-se que A CASA AO LADO já realizou, nos últimos meses, intervenções semelhantes (pinturas murais) em Portugal, envolvendo as comunidades locais em Matosinhos, Leça da Palmeira e Ponte da Barca.

Recorde-se que, em maio do último ano, A CASA AO LADO envolveu cerca de 150 emigrantes e lusodescendentes a residir no bairro nova-iorquino do Soho na criação de um vitral baseado nos padrões da azulejaria portuguesa, num projeto integrado no evento ‘Portugal in Soho’, organizado pelo Arte Institute, e que marcou o arranque do processo de internacionalização d’A CASA AO LADO.

Vocacionado para procurar o envolvimento em projetos que, partindo de uma educação/formação artística de base, permitam assegurar o cunho artístico interventivo nas comunidades, consagrando a sua marca e primando pela autenticidade, o centro artístico A CASA AO LADO foi fundado em 2005, em Vila Nova de Famalicão, pelo traço dos artistas plásticos Joana Brito e Ricardo Miranda, integrando desde 2018 a rede de Clubes UNESCO no campo da intervenção e criação artística.

Para 2020, A CASA AO LADO tem já asseguradas intervenções artísticas a realizar em conjunto com as comunidades portuguesas a residir em Cabo Verde, na cidade da Praia, e no Brasil, em Brasília, ao abrigo de uma parceria com o Movimento Internacional Lusófono (MIL), um movimento cultural e cívico internacional que visa a promoção da cultura lusófona no mundo.