Fotografia e vídeo testemunham boas práticas

Poderão a fotografia e o vídeo, cada um por si, ou em conjunto, estar ao serviço da sustentabilidade? Sim, podem! E é o que muito em breve se poderá ver através do olhar de seis artistas nacionais ou estrangeiros que juntos vão protagonizar o programa Sustentar, lançado pela Ci.ClO, Plataforma de Fotografia.

Através do olhar sustentável da fotografia e do vídeo, iniciativas experimentais e inovadoras vão agora ganhar uma nova vida. Até 23 de fevereiro, artistas nacionais e estrangeiros residentes em Portugal que usem a fotografia e vídeo como meio de expressão podem candidatar-se. 6 bolsas, 6 projetos, 6 territórios, 6 exposições para “Sustentar” projetos já implantados ou em fase de implantação em vários pontos do país. A sustentabilidade social e/ou ambiental é o denominador comum a todos os espaços. A atividade surge de uma parceria entre a Ci.CLO e as Câmaras Municipais de Mértola, Évora, Figueira da Foz, Loulé e Setúbal e a EDIA. Este programa de criação artística culminará numa exposição itinerante, que será integrada na programação da Bienal’21 Fotografia do Porto e nos vários espaços expositivos dos parceiros envolvidos. O projeto Sustentar é um exemplo claro de como a Fotografia pode estar ao serviço de um determinado território.

Os seis artistas selecionados irão desenvolver os seus projetos com acompanhamento curatorial de Virgílio Ferreira; Pablo Berástegui, curador e diretor da Galeria de Fotografia Salut au Monde e Krzysztof Candrowicz, curador, diretor de arte, investigador e educador, ex-diretor artístico da Triennale der Photographie Hamburg. O programa incluirá ainda dois workshops orientados por Jayne Dyer, Gil Penha-Lopes e Álvaro Domingues.

O que se pretende é que os artistas contribuam com a sua criatividade, visão e sensibilidade, na tarefa de consciencialização da comunidade e até do regime político para estas temáticas. Acreditando que a imagem pode ter um papel muito interventivo para outras práticas, para outras formas de ser e de estar, ela vai documentar essas transformações que ocorrem em diferentes territórios.

bolsa contempla um montante em dinheiro (800 euros mais 100 euros para deslocações); residência durante 24 dias (12 mais 12); alimentação durante esses dias; os custos da formação; acompanhamento por parte dos três curadores. Em certa medida, há uma formação que se está a oferecer, com mentorias online e presencial com esses mesmos curadores, além dos workshops. “A produção da exposição e itinerância – tudo isto está garantido.  Os trabalhos vão estar expostos em cada um dos Municípios e no Museu da Luz e depois integrarão a II Bienal de Fotografia do Porto”, assegura Virgílio Ferreira, diretor artístico da Ci.CLO e da Bienal Fotografia do Porto e coordenador do programa Sustentar. Os artistas que conseguirem a bolsa serão desafiados a abordar as boas práticas e a mapear cada iniciativa de cada território através das artes visuais. Já há inscrições de artistas nacionais e estrangeiros mas a Ci.CLO acredita que o ponto alto será mesmo nas últimas horas da candidatura.

Decorre a última semana de candidaturas para o programa Sustentar. Cada bolsa corresponde a um projeto de cada parceiro na área da sustentabilidade social e/ou ambiental. Consulte, aqui, o regulamento.