Até 2 anos mais velha por cada gravidez

É o chamado envelhecimento precoce e ocorre devido a alterações moleculares na estrutura do ADN. Estudo revela que as mulheres envelhecem dois anos por cada gravidez.

As mudanças celulares que ocorrem durante a gravidez podem ter um efeito negativo a longo prazo no organismo feminino – é uma das principais conclusões de um novo estudo. Cada filho pode reduzir a esperança média de vida das mães, sem esquecer a qualidade da saúde no global que também fica afetada. As células de 821 mulheres, com idades entre os 20 e os 22, que tinham até cinco filhos – foram estudadas por um grupo de investigadores norte-americanos

Conclusão: aquelas que tinham mais filhos apresentavam ADN com uma menor quantidade de telômeros protetores e um maior índice de um outro marcador indicativo de envelhecimento genético.

O que a investigação conseguiu apurar, em termos muito genéricos e de forma resumida é que cada gestação aumentava a idade celular das mulheres entre seis meses a dois anos. O líder do estudo, o professor Calen Ryan, da Universidade de Northwestern, em Chicago, nos Estados Unidos, admitiu ter ficado surpreendido com a escala detetada de envelhecimento. “Os marcadores previram separadamente a mortalidade e ambos se mostraram mais envelhecidos em mulheres que já tinham experienciado duas ou mais gravidezes”, mencionou.

Apesar dos resultados alcançados, um colega, o professor Christopher Kuzawa afirma que irão prosseguir com mais estudos de modo a averiguar se essas alterações celulares persistem à medida que essas mulheres envelhecem.

De referir que outros estudos já tinham alertado por exemplo para o facto de que a gravidez pode envelhecer as células em 11 anos de maneira mais rápida que o tabaco e a obesidade. Conforme estudo da Universidade George Mason são muitas as alterações genéticas durante a gestação. Contas feitas, e a avaliar por este estudo, ter um filho envelhece 4 vezes mais que fumar.