GUIdance em alta rotação até 17 fevereiro

Victor Hugo Pontes, Miguel Moreira, Jonas & Lander, Ainhoa Vidal, Joana von Mayer Trindade & Hugo Calhim Cristovão e Michael Clark Company são os embaixadores do universo da dança em Guimarães na segunda semana do GUIdance - Festival Internacional de Dança Contemporânea.

Decorrida a primeira semana da 9ª edição do GUIdance – com espetáculos de Victor Hugo Pontes, Mão Morta e Inês Jacques, Sara Anjo, Maurícia | Neves, companhia Wang Ramirez – acompanhada por centenas de amantes das artes, e da dança em particular, que lotaram várias salas para assistir às peças apresentadas (a maioria aqui inauguradas), o festival continua com toda a força até 17 de fevereiro com a locomotiva da criação a ser impulsionada pelas estreias de Miguel Moreira (Útero), Jonas&Lander, Joana von Mayer Trindade & Hugo Calhim Cristovão e Michael Clark Company, às quais acresce uma remontagem de Victor Hugo Pontes.

A segunda ronda de espetáculos abre, tal como a primeira, com uma peça de Victor Hugo Pontes. Estreado em novembro de 2011, no CCVF, Fuga Sem Fim regressará no próximo dia 13 de fevereiro ao ponto de partida, numa remontagem encomendada pelo GUIdance 2019.

Na quinta-feira, 14 de fevereiro, às 21h30, outros filhos a Guimarães retornam para mais uma estreia absoluta, desta vez protagonizada pela ÚteroFraternidade I + II é um díptico dividido por um intervalo. Em Guimarães, Miguel Moreira estreia a obra completa, como um quadro quase completa em dois painéis.

O festival aproxima-se do fim da semana com uma viagem de Jonas&Lander (Jonas Lopes e Lander Patrick) até à Black Box da Fábrica ASA, na sexta-feira à mesma hora, para revelar o seu Lento e Largo, um trabalho fabricado no Centro de Criação de Candoso, local onde decidiram aventurar-se no passado mês de novembro para uma residência artística.

No último dia de espetáculos do GUIdance 2019, o festival propõe uma dança a três passos, percorrendo três dos palcos pisados nesta edição.

O espetáculo final desta edição traz a Guimarães o grande iconoclasta da dança britânica, Michael Clark, que se estreia desta forma em solo nacional com uma peça em três atos que presta homenagem a três das suas fontes de inspiração musical (Erik Satie, Patti Smith e David Bowie), explorando as principais marcas da linguagem artística deste criador: o esbatimento das fronteiras entre o bailado clássico e a dança contemporânea, a moda, a música e as artes visuais. Este sábado, a Michael Clark Company apresenta assim to a simple, rock ’n’ roll . . . song. pela primeira vez em Portugal. Um momento singular para testemunhar a partir das 21h30 no Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor.

As essenciais atividades paralelas, que decorrem ao longo de toda esta edição do GUIdance , prolongam-se até dia 17, agregando público, artistas, escolas e pensadores.