Há Música (erudita) no Bussaco

Bussaco Summer Sounds – assim se chama o festival que vai estrear a 27 de julho e que ao longo de três dias vai levar a música erudita à Mata do Bussaco. A iniciativa é da Orquestra Clássica do Centro e da Fundação Mata do Bussaco.

Um dos grandes destaques deste festival vai para a presença de duas das maiores sopranos portuguesas, Elisabete Matos e Dora Rodrigues. Para 2019 está já prometida a continuidade do festival. O arranque acontece a 27 de julho pelas 21h00, com o concerto Sons de Verão, que terá como destaques a soprano Dora Rodrigues, o barítono José Corvelo e o Ensemble de cordas da Orquestra Clássica do Centro.

No sábado, 28, será a vez da Gala de Ópera – De Verdi ao Verismo, com a soprano Elisabete de Matos, acompanhada pela Orquestra Clássica do centro, dirigida pelo maestro José Eduardo Gomes, também pelas 21h00. O encerramento do festival será a 29, pelas 17h00, com um concerto da Orquestra, com destaque para os ensembles de metais, cordas e madeiras. Todos os espetáculos decorrerão ao ar livre, em palcos espalhados pela Mata do Bussaco, com os bilhetes a variar entre os 15 e os 20 euros.

“Iniciativas deste género são importantes no âmbito da nossa candidatura a Património Mundial da Humanidade. São momentos de cultura que ajudam a divulgar o património natural e edificado do Bussaco e que reforçam o prestígio da candidatura”, admite o presidente da Fundação Mata do Bussaco, António Gravato.

Por sua vez, a responsável pela Orquestra Clássica do Centro, Emília Cabral Martins, destaca “o privilégio de tocar num dos locais mais bonitos do país” e de contribuir para a candidatura à UNESCO. A música é uma linguagem universal. Para a nossa Orquestra é uma honra realizar espetáculos como estes, de música erudita, numa área tão rica em património natural e arquitetónico como é a Mata do Bussaco”, menciona Emília Cabral Martins.

A Mata Nacional do Bussaco, com 106 hectares, foi plantada pela Ordem dos Carmelitas Descalços no século XVII foi classificada recentemente como Monumento Nacional. Em 2017, a Mata apresentou oficialmente uma candidatura à UNESCO para ser reconhecida como Património da Humanidade.