LivingLab Matosinhos vence fase nacional dos European Enterprise Promotion Awards

Projeto nasceu de uma parceria entre Matosinhos e o CEiiA para a criação de um bairro inteligente de carbono-zero.

O projeto LivingLab de Matosinhos, criado em parceria entre a Câmara Municipal de Matosinhos e o CEiiA, Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto, é um dos vencedores da fase nacional dos Prémios Europeus de Promoção Empresarial. O laboratório vivo para a descarbonização de Matosinhos venceu na categoria de Apoio ao Desenvolvimento de Mercados Ecológicos e à Eficiência dos Recursos.

Os Prémios Europeus de Promoção Empresarial (European Enterprise Promotion Awards – EEPA) são uma iniciativa da Comissão Europeia coordenada em Portugal pelo IAPMEI, alinhada com as prioridades da estratégia Europa 2020 e que tem como objetivo potenciar a divulgação de atividades reconhecidas como boas práticas no âmbito da promoção da iniciativa empresarial na Europa.

Todos os anos o concurso identifica os melhores projetos em várias áreas, pela especificidade do seu contributo para o desenvolvimento económico e para o emprego das regiões. A competição decorre, numa primeira fase, a nível nacional, sendo selecionados dois projetos para representar o país na final europeia, que distingue anualmente as iniciativas que melhor representam a atividade empresarial e o empreendedorismo na Europa.

“O projeto LivingLab Matosinhos constitui uma das principais apostas estratégicas de Matosinhos. O nosso projeto visa a criação de um laboratório vivo, neutro em carbono, numa zona central de Matosinhos, para o teste e experimentação de soluções, produtos e serviços sustentáveis e inovadores. Porque só temos uma Terra e os efeitos das alterações climáticas já estão a suceder, Matosinhos está a fazer caminho”, explicou Luísa Salgueiro, Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos. “É com grande orgulho que iremos representar Portugal a nível internacional nestes European Enterprise Promotion Awards 2018”.

Segundo José Pedro Rodrigues, vereador da Mobilidade, “o LivingLab de Matosinhos pretende ser um espaço de desenvolvimento de soluções de inteligência urbana, que permitirá ao município testar e monitorizar projetos, sobretudo na área da mobilidade, mas com expressões também ao nível de eficiência energética em edifícios e espaços públicos, diminuindo o consumo de energia e promovendo a mobilidade urbana sustentável”. As tecnologias testadas no âmbito do “LivingLab” poderão, depois, ser alargadas ao restante espaço urbano. “Os cidadãos serão envolvidos na criação e experimentação de tecnologias mais limpas e inteligentes, sendo ainda objetivo do projeto a dinamização da atividade económica, sobretudo das pme’s, com projetos associados a soluções de baixo carbono”, sublinha o vereador.

Assim, na área compreendida entre a Rua de Goa e a Rua Conde Alto Mearim, serão instalados e testados diversos sistemas e soluções tecnológicas, como um carregador rápido para veículos elétricos, desenvolvido pela Efacec, uma rede de cacifos eletrónicos para bicicletas ligada à rede de transportes públicos, um sistema de pagamento de estacionamento e suporte ao comércio local, informação em tempo real sobre a rede de transportes, candeeiros que medem emissões de carbono. Será ainda implementado um pavimento gerador de energia que reduz automaticamente a velocidade dos veículos. Para além da autarquia e do CEiiA, fazem ainda parte deste projeto empresas como o Porto de Leixões, STCP, Metro do Porto, Efacec, e Universidade do Porto.

Os primeiros passos começaram já a ser dados. Iniciou-se a eletrificação da frota automóvel municipal, está a funcionar um edifício experimental cujo funcionamento assenta na energia solar e ainda na semana passada, no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade, foi apresentado o primeiro teste de um sistema de iluminação pública inteligente, o sistema de partilha de bicicletas que arrancará em Outubro e um sistema de monitorização do trânsito em tempo real.

Um dos elementos diferenciadores do LivingLab passa pela capacidade de monitorização e avaliação, em tempo real, das emissões de carbono e, logo, dos impactos da atividade deste laboratório vivo na zona de intervenção e na cidade como um todo. Esta capacidade é dada pela parceria com a plataforma de gestão de mobilidade do CEiiA – o mobi.me. Esta solução visa criar um sistema de recompensas, baseado numa conta de sustentabilidade, pela adoção de modos de mobilidade sustentáveis pelos cidadãos. As recompensas não envolvem dinheiro, mas créditos (AYR Credits) passíveis de utilização em serviços fornecidos pelo município, ou outros, como por exemplo minutos de bikesharing. A conta de AYR Credits poderá ser registada numa aplicação para smartphone que contabiliza em tempo real as emissões de carbono evitadas e as converte em créditos. Os cidadãos registados no projeto são recompensados com créditos devido à poupança de emissões derivada da utilização de modos de transporte sustentáveis.

A nível global, e através do mobi.me, já foram contabilizadas poupanças de mais de 2.800 toneladas de CO2, num total de 500 mil utilizadores, o que permitiu desenvolver o projeto-piloto dos AYR Credits em Matosinhos. Com o aumento do número de utilizadores, veículos e operadores associados ao mobi.me, estima-se uma poupança adicional de 6.700 toneladas de CO2 até 2020.

“O objetivo do LivingLab de Matosinhos é o de criar um bairro inteligente de carbono-zero, resiliente, acessível, participado e conectado”, explica Catarina Selada, responsável do CEiiA City Lab. “O LivingLab de Matosinhos pretende ser um espaço de teste, experimentação, demonstração e apropriação, em contexto real, de soluções tecnológicas, organizacionais e sociais integradas na intersecção entre mobilidade, energia, ambiente, edifícios e conectividade orientadas para a descarbonização da cidade”.