Mão Morta e coreógrafa Inês Jacques partilham palco

O segundo dia do festival resulta de um desafio lançado pelo GUIdance à banda Mão Morta e à coreógrafa Inês Jacques para, em conjunto, desenvolverem um projeto inédito.

Um só palco, o do Centro Cultural Vila Flor para receber a banda Mão Morta e à coreógrafa Inês Jacques.

Desta forma, um grupo de seis músicos e um grupo seis de bailarinos juntam-se para apresentar uma desconstrução do espetáculo de música e de dança. É assim “No Fim Era o Frio”.

A banda – neste caso os Mão Morta, matéria mítica do rock português – cria o cenário onde deambulam os corpos, em movimentos imaginados por Inês Jacques. Com música original de Miguel Pedro e António Rafael e narrativa de Adolfo Luxúria Canibal, “No Fim Era o Frio” terá a sua aparição a 8 de fevereiro às 21h30 na Black Box da Fábrica ASA.