Moreno: é bonito, mas não é saudável

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o cancro de pele é o tipo de cancro mais comum no mundo e a incidência de melanoma está a aumentar, representando já 10% das neoplasias cutâneas e causa 90% das mortes por cancro de pele.

O Sol é necessário para a vida do planeta e é igualmente essencial para a nossa vida. Desde logo porque melhora a saúde, ajudando à produção de vitamina D, à fixação de cálcio nos ossos, e à libertação de endorfinas, hormonas que dão a sensação de bem-estar. Está provado que a exposição à luz solar evita a depressão. Mas, nem tudo são boas notícias. O Sol também faz mal: o excesso de exposição solar é responsável pelo aumento do risco de cancro da pele e um dos tipos mais mortais: o melanoma.

Os dermatologistas (nomeadamente os de La Fundación Piel Sana de la AEDVAcademia Española de Dermatología y Venereología) insistem na necessidade e importância da proteção e do rastreamento do cancro de pele e do melanoma, através de uma campanha de informação, consciencialização, prevenção e deteção precoce de lesões.

Assim, importa, antes de mais, saber e ter consciência de que o bronzeado não é saudável, porque a pele reage aos danos causados ​​pelo sol através da produção de melanina, o que desencadeia uma série de processos cumulativos que acabam por causar prejuízos à pele.

O melanoma, ou qualquer outra lesão cutânea, pode ser prevenido com proteção e com deteção precoce. Neste processo de prevenção são cruciais os seguintes aspetos:

  1. Tomar “banho de sol” com cautela, usar um protetor solar adequado, evitar o sol do meio do dia, pois é o momento em que há mais luz solar e protegido com t-shirt, chapéu e óculos de sol é essencial. E hidrate a sua pele, depois de apanhar sol.
  2. Estar atento aos sinais, manchas, verrugas que aparecem na pele. Para nos ajudar a detetar uma lesão de pele no início, os especialistas desenvolveram um alfabeto para “estudar” o possível risco de melanoma. Assim, é necessário ter atenção especial e ir ao dermatologista se algum dos chamados sinais tiver as seguintes características: assimetria, arestas irregulares, cor não homogênea, diâmetro maior que 6 milímetros, evolução (mudança de aparência).
  3. Examine a parte de trás do corpo, com a ajuda de outra pessoa. Vigie as palmas das mãos, plantas dos pés e ouvidos. Um melanoma pode aparecer em qualquer lugar.
  4. Vá ao dermatologista. Além do autoexame, é aconselhável ir ao dermatologista pelo menos uma vez por ano.

Moreno é bonito, mas não é saudável Cuide de si! Cuide da sua pele!