Música (no prato)? Escolha bem antes de entrar

Diz-nos a ciência que a música pode interferir nas nossas escolhas alimentares e nas quantidades ingeridas.

Quando a música e a comida se combinam num determinado local, como num restaurante ou num supermercado, uma nova investigação revela que há uma ligação direta entre a música que ouvimos e as escolhas alimentares que fazemos. Assim, em termos práticos, parece, por exemplo, que quando estamos num restaurante, se a música for mais suave e a um volume mais baixo, terá um efeito calmante e fará com que o cliente opte por pratos mais saudáveis. E tudo porque tem um impacto diretamente no ritmo cardíaco e nos níveis de excitação.

Assim, se se vir a optar por um hambúrguer e batatas fritas, em vez de uma salada, o seu desejo natural por comida mais gordurosa pode não ser o único culpado. Na verdade, a preferência por alimentos menos saudáveis pode estar sendo diretamente influenciada pelo ambiente do restaurante onde se encontra.

São pelo menos estas as principais conclusões que se podem retirar da investigação publicada no Journal of the Academy of Marketing Science.

“Os restaurantes e os supermercados podem utilizar a música ambiente estrategicamente de modo a influenciarem o comportamento dos consumidores”, explicou o professor Dipayan Biswas, da Universidade de South Florida, nos Estados Unidos, autor do estudo.

O comportamento dos clientes foi analisado durante vários dias e horas e a conclusão é clara: mais de 20% dos indivíduos tinha optado por alimentos pouco saudáveis quando expostos ao som de música alta, comparativamente aqueles que fizeram o seu pedido num ambiente mais sossegado.

Este estudo surge depois de uma outra experiência realizada num restaurante da McDonald’s, em Londres que era conhecido pelos clientes desordeiros que o frequentavam. Quando optaram por tocar música clássica, o ambiente anti social característico daquele espaço mudou!