“Não somos felizes todos os dias”

Catarina Beato é uma das pioneiras na criação de um blog em Portugal e uma referência na blogosfera. É autora de 4 livros e mãe de 3 filhos. Nesta entrevista fique a conhecer um pouco mais sobre a autora do blog "Dias de Uma Princesa".

Qual o segredo para “ser feliz todos os dias”?

O segredo é exatamente aceitar que não somos felizes todos os dias. E que a felicidade não é um sorriso permanente e uma festa. Às vezes pode ser, mas é também a calma, um respirar fundo, um nascer do sol, uma comida deliciosa, o beijo de um filho, encontrar o pé da pessoa que amamos no frio dos lençóis. Ser feliz todos os dias é a decisão de procurar o bom, sempre (e mesmo nos dias maus).

Como concilia a vida familiar e a profissional?

A minha família é a prioridade. As coisas podem andar sempre um pouco misturadas porque escrevo em todo o lado e em qualquer momento, porque o telemóvel faz com que o e-mail esteja sempre por perto e não tenho essa coisa das férias. Mas estou sempre disponível para os meus. Acordo-os com calma, levo-os com calma, fazemos trabalhos de casa, e damos mimos. Ouço-os e eles ouvem-me. E isso é um imenso privilégio.

Divisão de tarefas é uma realidade aí em casa ou um ainda um desejo em construção? Enquanto o Pedro trabalhava fora a divisão estava condicionada pelas ausências a que o seu emprego o sujeitava (e para as quais tinha todo o apoio). Neste momento o Pedro está em casa e, se existisse uma balança, diria que as tarefas de casa estão mais do lado dele. Leva, traz, dá banhos, preparar jantares. Cá em casa é uma realidade feliz (que vamos trabalhando para que aconteça e respeite também as necessidades individuais).

A Inspiração para o blogue e para os livros, vem de onde?

Sou muito básica: a inspiração vem da normalidade dos meus dias. O que significa que às vezes é uma chatice e bastante monotemática. Mas ainda vão existindo momentos existencialistas, e mais inspiradores.

www.facebook.com/DiasDeUmaPrincesa/

Que dicas daria a quem pensa trabalhar a partir de casa?

Vou recuperar um post porque acho que vale a pena. Foi escrito para quem trabalha em casa e tem filhos mas é adaptável a quem não os tem.

“Não se sintam enganados. Eu juro que tenho umas dicas. Só não prometo é que funcionem. Pronto, não prometo que funcionem todos os dias. Trabalhar e ter filhos no mesmo espaço (já aprendi a não dizer “mães a tempo inteiro”) é um desafio. Sinceramente ter filhos é um desafio. E ponto final.

  1. Estejam absolutamente conscientes do privilégio que é ver os filhos crescer (e repitam isso muito vezes, por escrito, em voz alta, para dentro, como quiserem). Isso vai compensar os dias em que não conseguimos fazer nada daquilo que planeámos. E vai minimizar a neura dois dias em que precisávamos mesmo de acabar um trabalho e temos a certeza que será impossível. E vai acalmar o isolamento de sermos – em tantos e tantos dias – o único adulto.
  2. o ponto 1. poderia ser o ponto 2,3, 4, 17263484.
  3. impor rotinas. Este ponto serve para todas as crianças, estejam em casa ou não, tenham os pais a trabalhar em casa ou fora. As rotinas não têm que ser absolutamente rígidas – ao ponto de nos deixarem ansiosos ou deixarem os miúdos insuportáveis se não forem cumpridas ao minutos – mas têm que existir. Tudo é mais fácil quando existem rotinas. E os horários possibilitam alguma planeamento.
  4. Fazer horários realistas – de trabalho mas não só. Escusam de pensar que a criança vai dormir três horas se costuma dormir 20 minutos. E se dorme 20m em casa mas dorme 2 horas na rua, ponham no carrinho e trabalhem numa mesa de café (se for logisticamente possível). E devem contemplar nesse horário as outras tarefas para que não misturem tudo (tipo aproveitar a sesta da manhã para ir estender roupa e arrumar a cozinha mas à tarde acabam o trabalho esteja o que estiver por fazer em casa).
  5. aproveitar enquanto dormem. Esta dica é para lá de óbvia. Mas a verdade é que os miúdos nem sempre dormem aquilo que precisamos para acabar o que temos para fazer….
  6. … e quando estão acordados? Eu tenho um parque e vários brinquedos na divisão em que está o computador. E mesmo que seja em períodos curtos – 15 minutos – tento que consigam brincar sozinhos para aproveitar esse tempo.
  7. Não desistam de falar com outros adultos. Grupos de facebook. Amigos no WhatsApp. Almoço com antigos colegas. Ou até ler o jornal todos os dias – é escrito por adultos e não tem Panda nem Caricas. O cérebro precisa de estímulo mesmo quando preguiça nos tenta afastar disso.
  8. uma hora sem filhos vale ouro. Recorram aos avós, às tias, aos amigos e até a uma babysitter de confiança mas tentem trabalhar – nem que seja uma hora – sem qualquer distração. Aproveitem para fazer esses 60 minutos de concentração total e vão ver a produtividade a disparar.
  9. saber mandar a toalha ao chão. Nos dias em que percebemos que os miúdos não vão colaborar temos que ter a capacidade para desistir. Nessas alturas mais vale ser apenas mãe ou ir fazer outras coisas em que os pequenas criaturas colaborem (a Maria Luiza gosta de me passar as molas). Às vezes desistir significa – sem qualquer culpa – dormirmos a sesta com eles. Ou acabar de decorar a letra da música dos Caricas.

Com três filhos de idades tão diferentes, como gere a relação com cada um deles?

Três filhos de cidades tão diferentes tem uma vantagem maravilhosa: há ajuda entre eles. E uma desvantagem: poucos programas dão para todos. Não conheço outra realidade mas adoro a nossa. Os meus filhos têm uma relação absolutamente serena e cúmplice. Dão-se mesmo bem. A regra, quando nasce um irmão, é que as necessidades dos que já cá estão são prioritárias e isso faz com que não existam grandes crises de ciúmes e eles se protejam uns aos outros. Se for preciso, mesmo contra a mãe (e ainda bem).

Como lida com a exposição pública que o trabalho lhe traz?

É muito raro sentir a exposição. Aquela coisa de sair à rua e ser reconhecida acontece mas pouco. A minha vida é muita igual à de toda a gente. Exceto uma ou outra mensagem desagradável, a exposição traz-me muito carinho e muito apoio. E, na verdade, só expomos aquilo que queremos.