Novos ventos em Cuba

A deputada Mariela Castro, filha do ex-presidente Raul Castro disse à agência de notícias France-Presse que a futura Constituição de Cuba vai abrir a porta à defesa dos direitos da comunidade LGBT (lésbicas, 'gays', bissexuais e transexuais).

Militante de longa data de causas relacionadas com as minorias sexuais, Mariela Castro explicou que “na Constituição há uma secção sobre as oportunidades, sobre os direitos que devem dizer respeito às pessoas LGBT”, acrescentando que “as Constituições não incluem forçosamente medidas específicas. [Mas] elas abrem a porta para o consequente diálogo sobre as modificações do sistema legislativo”.

A filha do ex-presidente Raul Castro, que também é diretora do Centro Nacional de Educação Sexual, promove políticas dirigidas a proteger as mulheres e a comunidade LGBT e colocou sobre a mesa da discussão política sobre o casamento homossexual.

A Assembleia Nacional cubana está a trabalhar na reforma da Constituição de 1976 com o objetivo de adaptar o país ao novo período económico e social, mantendo a sua matriz socialista: “A Constituição abre uma via para que o povo decida. Se a população (…) se informar e nós lhe dermos a informação suficiente, nós poderemos tomar as decisões mais revolucionárias, justas, sobre os direitos de todas as pessoas”, concluiu.