“O Museu como Performance” 2018

8 e 9 de setembro “O Museu como Performance” em Serralves, com doze trabalhos recentes de artistas portugueses e internacionais abrangendo e cruzando dança, música, narrativas faladas, performances visuais e sonoras.

Organizada pelo Museu de Arte Contemporânea de Serralves desde 2015, “O Museu como Performance” é uma plataforma dedicada às novas práticas da performance que reconhece a sua importância crescente no campo das artes visuais. Este eixo de programação também vem sedimentar e ampliar a história transdisciplinar do Museu de Serralves.

“O Museu como Performance” vai na quarta edição. Este ano reúne doze trabalhos recentes de artistas portugueses e internacionais abrangendo e cruzando dança, música, narrativas faladas, performances visuais e sonoras. O programa inclui encomendas em estreia absoluta e adaptações aos espaços de Serralves, num reconhecimento do potencial do seu singular contexto arquitetónico.

8 e 9 de setembro serão assim dois dias marcados por várias formas, “através da voz, corpos, gestos e narrativas, propõe-se diversas formas de desconstruir convenções disciplinares e normatividades”, elucida a Fundação em nota de imprensa.

PROGRAMAÇÃO

Sábado, 8 de setembro 

14h00 – Boas-vindas pelo Diretor do Museu

14h30 – 17h00 – “curva contínua” VERA MOTA – Galerias do Museu

15h30 – 15h55 – “Im happy to own my implicit biases” NORA TURATO – Biblioteca

16h15 – 16h50 – “Berrante” XAVIER PAES – Hall do Museu

17h00 – 18h00 – “Self Made Man” NINA SANTES – Auditório

17h30 – 20h30 – “Us Swerve” ALEX BACZYNSKI-JENKINS – Hall do Museu (performance duracional)

19h00 – 19h25 – “Im happy to own my implicit biases” NORA TURATO – Foyer Auditório

19h30 – 21h00 – “100 keyboards” ASUNA – Biblioteca

20h00 – 20h30 – “Mazezam” CATARINA MIRANDA – Galerias do Museu

20h30 – 21h00 – “Owed to Suspension” HANNAH CATHERINE JONES a.k.a. FOXY MORON – Auditório

Domingo, 9 de setembro

15h00 – 15h30 – “Mazezam” CATARINA MIRANDA – Galerias do Museu

15h30 – 15h55 – “Im happy to own my implicit biases” – NORA TURATO – Sacristia da Capela

16h30 – 17h00 – “Owed to White Noise” HANNAH CATHERINE JONES a.k.a. FOXY MORON – Auditório

17h30 – 18h00 – “Metal Locker Acoustics” XAVIER PAES – Capela

18h00 – 22h00 – “Dance is Ancient” FRÉDÉRIC GIES – Casa (performance duracional)

18h30 – 18h45 – “auditorium” RUI PENHA/JOÃO DIAS – Galerias do Museu

18h30 – 20h00 – “100 keyboards” ASUNA – Biblioteca do Museu

20h15 – 20h30 – “auditorium” RUI PENHA/JOÃO DIAS – Galerias do Museu

20h30 – 20h55 – “Im happy to own my implicit biases” NORA TURATO – Sacristia da Capela

22h30 – 23h30 – “Shaneera” FATIMA AL QADIRI – Auditório