“O Principezinho” no Fórum da Maia

Quando Antoine de Saint-Exupéry, escritor e ilustrador, apaixonado pela mecânica e pela aviação, escreveu “O Principezinho” estava de longe de prever a força ecuménica da sua obra.

O Grande Auditório do Fórum da Maia recebe o Musical “O Principezinho”, pela Jangada Teatro, a 22 de dezembro, pelas 16h00. Trata-se de um teatro musical, para crianças com mais de três anos. Um bom pretexto, portanto, para programas em família.

Autor de inúmeros artigos sobre a guerra desenvolveu em “O Principezinho” uma narrativa que na sua camada mais profunda exponencia o apreço pela vida. Valores como a perda, a amizade e o amor são apresentados de forma ingénua e simples, mas acessível e desarmante para crianças e adultos. A dramatização da obra de Saint-Exupéry tem sido disseminada um pouco por toda a parte.

A presente criação aposta numa dimensão de espetáculo musicado, em que a expressão do texto, além de dito, é também cantado. A música reforçará a leveza poética de uma obra que, rivalizando até com a própria Bíblia, tem sido das mais editadas e representadas em todo o mundo.

A obra de Saint-Exupéry potencia uma grande versatilidade da narrativa e do imaginário, proporcionando um desenvolvimento visual adequado à contemporaneidade. Por isso mesmo, perante a sugestão visual que o autor propicia (ele próprio ilustrador da sua história) em relação ao deserto, aos asteroides, cometas e planetas, haverá um diálogo entre a projeção vídeo do universo e a cenografia que harmoniza e materializa os asteroides no espaço cénico. Na procura/viagem que “O Principezinho” faz pelos diferentes planetas encontra a diversidade das personagens acantonadas e sós.

E para cada uma dessas personagens haverá uma música, elemento também distintivo de cada situação. A plasticidade, a interpretação e a conceção musical, cada uma enriquecerá o espetáculo, mostrando que uma parte do jogo teatral é para a criança e outra para o adulto. Sabendo também equacionar que há adultos que querem a visão da criança e crianças que querem ser tratadas como adultas.

Estaremos assim a proporcionar ao espectador um espetáculo com múltiplas camadas. Os bilhetes custam 5 euros.