Os 40 são os novos 20…

Desenganem-se se pensam que vou falar da minha idade… não ainda não tenho 40… apesar de me sentir com 20…

Não tem nada a ver comigo… apesar de esta tabuleta, ser uma das várias que forram a parede do meu consultório…

Na Sociedade em que vivemos, com o aumento da esperança de vida, com a igualdade dos papéis entre os sexos (sim, as mulheres já não ficam em casa a criar os filhos há muito tempo!) e O novo Mundo que habitámos os compromissos são adiados e a vida pessoal é colocada em segundo plano, enquanto se tiram cursos, pós-graduações, doutoramentos. Neste Mundo em que a estabilidade profissional é quase um mito… Ser Mãe é adiado.

O Mundo mudou.

Existe planeamento familiar, a mulher já é mãe quando quer e não quando acontece.
Existe um mundo de trabalho altamente competitivo, onde só há lugar para os melhores…
As mães já não ficam em casa a tomar conta dos filhos, e deixá-los num infantário custa dinheiro. As avós já não estão lá para ajudar, porque ainda trabalham…
Tanto que mudou…
Alcançar a independência financeira, construir uma carreira, conseguir ter uma relação estável (e não vou falar sobre este último ponto!)… é cada vez mais difícil.

A maternidade é ADIADA.

Ser mãe depois dos 35 anos é chamada pela ciência como “idade materna avançada” … Penso que este termo além do roçar o insulto (quer dizer, aos 35 somos velhas?!), tem que ser repensado e pelo menos adiado para os 40 (continuamos novas aos 40, note-se bem, mas engravidar começa a ser mais difícil e com mais riscos).

A ciência avança e vai contrabalançando esta tendência. Penso que faz parte da evolução. E um dia isto tudo será obsoleto. Neste momento é a realidade.

A mulher a nível reprodutivo apresenta uma característica difícil de contornar e que nos coloca precisamente na pertinência deste tema. Nós quando nascemos já nascemos com todos óvulos que vamos ter na vida (os óvulos são células sexuais que darão origem a um novo indivíduo se ocorrer fecundação)… Este pressuposto leva-nos a que quanto mais anos passam menos óvulos tenhamos (estes são consumidos até à menopausa) e os que temos são obviamente mais “velhos” e perdem qualidade.

Queria alertar-vos para as duas ramificações deste Facto:

Por um lado, existem vários estudos que comparam os desfechos de uma gravidez aos 20, 30 ou 40 anos ou após… quais são os resultados, em modo resumido?

  • A fertilidade diminui – óvulos em menor número e com menos qualidade
  • A taxa de abortamento (TA) aumenta e muito (A TA é cerca de 10% aos 20 anos, 20% aos 35 anos, 40% aos 40 anos e 85% aos 48 anos!)
  • Risco aumentado de gêmeos, com o avançar da idade a ovulação por vezes é múltipla nos meses em que ocorre, aumento de técnicas de procriação médica assistida
  • A qualidade dos óvulos ao diminuir não só há risco aumentado de abortamento como o risco de malformações e alterações dos cromossomas, como a trissomia 21
  • Há um conjunto de patologias cuja incidência é aumentada nestas grávidas, como Diabetes gestacional, Doença Hipertensiva
  • Na gravidez há um risco aumentado, além do abortamento, de morte fetal e de parto pré-termo com as suas implicações

Por outro lado, ou abdicamos de ser mães ou vivemos a vida e ajustamo-nos ao Novo Mundo.

Que quero dizer com isto?

Duas coisas… primeira se faz parte do vosso plano de vida ser mãe, tentem. Peçam orientação ao vosso Obstetra. Procurem alguém que tenha conhecimento na área da fertilidade. Planeiem, sejam bem orientadas e o sonho será realizado. Segundo ponto… não esperem demais! Não coloquem em segundo plano a Família, sem ela nada somos… quando morrermos (e para já é uma certeza que acontecerá) não se vão lembrar de nós pelos cargos que tivemos, mas a família vai lembrar com saudade os momentos que vivemos. A realização pessoal ao olhar para um filho criado por nós, se houver entrega e dedicação é muito superior a qualquer prémio Nobel.

Em Resumo…

Sim, como em todo o resto na Sociedade em que vivemos os 40 são os novos 20 por vários motivos e a área da Maternidade não é excepção.
Ser mãe cada vez mais tarde é uma realidade, mas o adiar em demasia pode conduzir a um sonho perdido.

Querem tentar, tentem! Apesar dos riscos tentem… mas peçam orientação a quem de direito e percebam desde já que depois dos 40 anos vai ser mais difícil. Esse mais difícil não quer dizer que não vão ter um bebé perfeito, mas que há mais riscos e principalmente dificuldade em engravidar.

Apesar de os óvulos estarem mais “velhos”, nós estamos cada vez melhor... e a sabedoria e estabilidade dos 40 por outro lado traz outros benefícios.

Não há momentos ideais!!! Não há certezas! Vivam a Vida enquanto cá estão.

Sabendo dentro de cada um, quais são os motivos que vos fazem sorrir todos os dias.

Fonte www.mariamanuelsampaio.pt