Viva o S. João – Um roteiro para a noite

Acreditando que não fica em casa, com amigos, a assar sardinhas, a beber bom vinho ou a conversar noite dentro (o que também não está nada mal) e quer viver o São João do Porto como um tripeiro, isto é, na rua, no meio da multidão, horas a fio, eis um roteiro possível.

Comer sardinhas

Ao jantar na Cordoaria, nas Fontaínhas, na Ribeira ou em qualquer outro lugar estará apenas a dar início a uma noite festiva e longa. De estômago aconchegado, pode dar um salto à Rua das Carmelitas, espreitar a zona das Galerias de Paris – o novo lugar IN da movida portuense -, deixar a Torre dos Clérigos para trás e rumar à Avenida dos Aliados, o coração da Baixa, se vier da Cordoaria. Se vier da Ribeira ou das Fontaínhas, pode passar antes pela avenida dos Aliados. Ah! Não se esqueça de comprar um alho-porro ou um martelinho… vai precisar!

Passar na Avenida dos Aliados (a caminho da Sé)

Se tiver jantado, ido à zona dos Clérigos e à Avenida dos Aliados, deve estar na hora de começar a dirigir-se para a Sé, com o objetivo de ver o fogo-de-artifício, que começa à meia-noite. Não pense que é perto e fácil lá chegar, porque não é! Na opinião de muita gente, este é o melhor lugar para ver o fogo.  Não perca!

Ver o fogo-de-artifício na Sé ou…

Ver o fogo-de-artifício é obrigatório na noite de São João. Além do Terreiro da Sé, há outros locais onde o pode fazer: e não faltam bons locais, como, por exemplo, o Cais da Ribeira ou o Cais de Gaia, no outro lado do rio; ou em embarcações no Rio Douro; ou na Serra do Pilar; ou no miradouro da Bataria da Vitória (ao fundo da Rua de S. Bento da Vitória).

Vinho a martelo e bailarico no Guindalense

Depois do fogo-de-artifício, dependendo do lugar onde se encontra, tem de começar a descer em direção ao rio: passar pelo Guindalense Futebol Clube (porque, independentemente dos futebóis, vale a pena). Nas Escadas dos Guindais, costuma haver um bailarico, com melhores vistas de toda a cidade.

Um “traçadinho” no «Está-se bem», na Ribeira

Quando se cansar do baile, desça em direção ao Rio Douro, pela Escada dos Guindais, ao encontro dos foliões até ao «Está-se bem», mais concretamente até aos números 70-72 da Rua Fonte Taurina, chegue-se ao balcão, peça um “traçadinho” ao senhor Adriano Ferreira ou à Dona Maria do Carmo, vá bebê-lo para a rua e deixe-se ficar por lá – na Praça do «Cubo».

Bailarico em Miragaia (e uma bifana)

A 500 metros da praça do “Cubo” do Largo de Artur Arcos, nos chamados Arcos de Miragaia, o Grupo Musical de Miragaia espera por si. Além da música e do bailarico, talvez esteja a precisar de reparar as forças, com uma bifana e um caldo verde.

Praia(s) da Foz

Depois de tudo isto, a noite não será uma criança, mas, se ainda lhe restar energia, pode ir, calmamente, pela marginal até uma das praias da Foz para tomar o pequeno-almoço, dormir na areia ou mergulhar no mar… e voltar para casa.

Boa festa!