“Sete Anos Sete Peças” em Guimarães

Centro Cultural Vila Flor acolhe a 2 e 3 de novembro as primeiras duas criações do ciclo “Sete Anos Sete Peças”. Cláudia Dias coloca frente a frente medo e desejo de futuro, palavras e cumplicidade, diferença e unificação.

As primeiras duas criações do ciclo “Sete Anos Sete Peças” chegam no primeiro fim de semana de novembro ao Centro Cultural Vila Flor (CCVF) pela coreógrafa e performer Cláudia Dias. Um projeto que, tal como o nome indica, pressupõe a criação de sete peças em sete anos consecutivos com sete artistas convidados. “Segunda-Feira: Atenção à Direita!” e “Terça-Feira: Tudo o que é sólido dissolve-se no ar” sobem ao palco do CCVF a 2 e 3 de novembro, sempre às 21h30. Em 2019, o CCVF continuará a acompanhar este projeto, com a apresentação de “Quarta-feira: o Tempo das Cerejas”.

“Segunda-Feira: Atenção à Direita!” é primeiro espetáculo do ciclo de sete peças que Cláudia Dias se propôs fazer ao longo de sete anos consecutivos. “Este projeto, como outros que desenvolvi anteriormente, nasce de uma inquietude muitas das vezes indizível ou inominável e que, após ser trazida para fora dessa interioridade inicial, ganha sentido numa frase ou numa palavra”, assume a criadora. “Neste caso, trata-se da palavra Encontro mas, mais do que do seu significado, trata-se do que a palavra evoca, convoca e aciona. Para mim, a palavra ‘encontro’ aciona desde logo uma imagem: duas pessoas paradas de frente uma para outra e a possibilidade de irem ao encontro de ou irem de encontro a. Dois corpos e uma distância entre si para ser articulada, percorrida, vivida, mantida, abolida ou amplificada.”. Sobe ao ringue de boxe com Jaime Neves. O encontro está marcado para dia 2 de novembro, às 21h30. O ringue é o palco do Grande Auditório do CCVF. Cláudia e Jaime propõem-se reconstituir um combate de boxe, punhos cerrados, um contra o outro. Boxe, full contact ou vale-tudo-menos-tirar-olhos, uma coisa parece certa: vão dar e   levar na boca – não há que ter medo das palavras – literal e metaforicamente.

No segundo espetáculo do projeto “Sete Anos Sete Peças”, Cláudia Dias inspira-se no universo dos desenhos animados de Osvaldo Cavandoli para criar “Terça-Feira: Tudo o que é sólido dissolve-se no ar”, que se apresenta no 3 de novembro, às 21h30, no Pequeno Auditório do CCVF. “Quando era criança assistia fascinada, como muitas pessoas da minha geração, aos programas televisivos do Vasco Granja e ficava deliciada com aqueles desenhos animados que criavam mundos a partir de plasticina, cartolina ou de uma só linha. Cerca de trinta e tal anos depois convoco esse universo, nomeadamente o trabalho de Osvaldo Cavandoli, para esta segunda criação do projeto Sete Anos Sete Peças”, partilha a criadora.

Num tempo em que as linhas divisórias, as fronteiras, as barreiras, as linhas da frente e de mira dos conflitos bélicos, as fileiras e as linhas de identificação do drama dos refugiados, as linhas de respeito dos limites marítimos das nações, as linhas duras das fações radicais de organizações políticas e religiosas estão na ordem do dia, Cláudia Dias e Luca Bellezze trabalham (n)uma linha unificadora, capaz de juntar o que se encontra separado.

Através de um bilhete conjunto no valor de 10,00 euros é possível assistir a ambos os espetáculos. Os ingressos individuais, por sua vez, têm um custo de 7,5 euros ou 5 euros com desconto, podendo ser adquiridos, como habitualmente, nas bilheteiras do Centro Cultural Vila Flor, do Centro Internacional das Artes José de Guimarães e da Casa da Memória de Guimarães, bem como nas lojas Fnac e El Corte Inglês, entre outros pontos de venda, e na internet em Centro Cultural Vila Flor.