Teatro Cómico na Maia

O Festival Internacional de Teatro Cómico da Maia regressa na sexta-feira, 5 de outubro, para a 23.ª edição, oferecendo um total de 30 espetáculos, incluindo peças espanholas, italianas e francesas.

Produzido pelo Teatro Art’Imagem, em coprodução com a Câmara da Maia, o evento tem como mote principal “o riso e o humor”, apostando em espetáculos inéditos em Portugal e em “múltiplas facetas e disciplinas teatrais”,  como explica o diretor artístico, José Leitão, no texto de apresentação do certame.

Sob o ‘slogan’ “A Eutanásia da Resignação”, a programação desta edição atravessa textos dramatúrgicos dos espanhóis Pedro Calderón de la Barca ou Luis Benavente, do dinamarquês Hans Christian Andersen, entre outros, e vários géneros teatrais, como o teatro físico, o teatro de rua, o novo circo ou o ‘vaudeville’.

Na sexta-feira, pelas 21:30, o espetáculo de abertura fica a cargo da espanhola Cia Vol’e Temps, com a peça de novo circo “Mundos Papel”, antes de a portuguesa Nova Companhia mostrar a obra ‘vaudeville’ “Kiki”, pelas 22:30.

No sábado, a dupla Marimbondo apresenta “Clérikuss”, e o Teatro Corsário (Espanha) mostra “Clásicos Cómicos”, recordando peças clássicas da dramaturgia espanhola.

No domingo, os franceses “Cie du Fil a Retordre” apresentam “um Monde un Peu Meilleur” antes do cruzamento entre concerto e circo de “Clown in Libertà” (Itália).

No dia 08, segunda-feira, o norte-americano Leo Bassi estrea em Portugal “El Último Bufon”. Os galegos Mofa&Befa apresentam “Cranios Privilexiados… ou Crítica da Razón Perralleira”, enquanto no dia 12, o Teatro Extremo apresenta “Mythos”, antes de “O King Vai Nu”, da Umbigo.

A companhia espanhola Yllana, que regressa ao evento para apresentar, em estreia mundial, “Gag Movie”, uma “sátira sobre a fama e a sétima arte”, encerra o festival no dia 14, no grande auditório do Fórum da Maia.

Nesta 23.ª edição haverá língua gestual portuguesa de “alguns espetáculos”, adiantou o diretor artístico, para tornar o festival “mais inclusivo e acessível”.