Tem filhos com idade pré-escolar? Saiba se deve dormir a sesta

Não é de agora que vários médicos alertam que a sesta na infância é tão importante como comer.

Sabemos que a sesta se torna, por norma, cada vez mais curta com o passar dos anos. E, por isso, muitos pais se questionam se é realmente importante? Outros ainda pensam se deve ser evitada em troca de uma noite bem dormida. Mas, a verdade, é que nada é automático e as crianças são seres únicos e especiais.

Mafalda Leitão, Psicóloga especialista em Psicologia Clínica e da Saúde e em Psicoterapia aborda a importância da sesta nas crianças com idade pré-escolar. “A sesta não deve ser descontinuada arbitrariamente porque está implicada no desenvolvimento neurológico (sobretudo em idades precoces), no cognitivo – em particular na memória (logo, é essencial para a aprendizagem), na destreza psicomotora e na regulação emocional e comportamental. Fica então evidente que a sesta traz inúmeros benefícios, não só à criança como aos próprios cuidadores – crianças que dormem as horas que biologicamente necessitam não só apresentam um melhor funcionamento global, como conseguem chegar a um final de dia relativamente bem dispostas, sem birras ou outros comportamentos menos ajustados, que tantos desafios colocam aos pais. O evitamento da sesta, quando a criança ainda dela necessita, vai interferir não só nas dimensões referidas como no próprio sono noturno, pois para dormirmos temos de estar tranquilos e relaxados e crianças cansadas têm mais dificuldade em adormecer. A necessidade de sesta diminui de forma gradual, por isso não é incomum encontrar crianças da “sala dos 3 anos” a dormir em almofadas ou mesmo no chão, por entre as brincadeiras e risos dos colegas e a luz que entra pelas janelas”.

Os bebés dormem ainda antes de nascer! O sono in útero é essencial para a multiplicação das células nervosas, para a produção de determinadas hormonas e há evidências que sugerem que, no início do terceiro trimestre de gravidez, os fetos começam a sonhar! Por tudo isto se diz que o sono é “a” atividade primária do cérebro no início do desenvolvimento.

A questão que se impõe é perceber a partir de quando é que a sesta deixa de ser necessária? “Naturalmente depende das necessidades individuais de sono de cada criança – há as “grandes dormidoras” e as “pequenas dormidoras” (as que precisam de mais e menos horas de sono). Ainda assim, de uma forma geral, podemos dizer que a maioria das crianças deixa de precisar de dormir entre 3 e os 5 anos, o que não implica que não devam manter um período de relaxamento/descanso depois do almoço”, responde a especialista.

Então, como saber quando a criança já não precisa da sesta? Segundo a Secção de Pediatria Social e a Sociedade Portuguesa de Pediatria, é simples:

  • Quando recusa ir para a cama ou não consegue adormecer porque não está cansada
  • Quando acorda durante a noite ou muito mais cedo de manhã, comparativamente com o padrão de sono anterior
  • Quando não adormece, na sesta, em 30-40 minutos
  • Quando passa todo o dia acordada, atenta, ativa e sem oscilações emocionais importantes

A solução a desenhar para crianças com mais de 3 anos, e que já existe em alguns infantários públicos, seria passar por terem uma sala de descanso só/sobretudo para esse efeito (com condições controladas de ventilação, ruído, escuridão, leito confortável e vigilância) para que aquelas que precisassem de dormir o pudessem fazer.

O ideal seria garantir condições para dormir a sesta até à entrada para a escola (mediante cada criança), em defesa da saúde física e psicológica e da qualidade de vida das crianças.