Um grito na noite raiana, muita dança em estreia e perícia ao piano

Abril começa com a exibição de um tesouro da cinematografia da região, e do país, desta vez em Alcoutim. Um espectáculo que envolveu as gentes locais na reconstrução da sonoplastia do filme "Um Grito na Noite". Loulé abrirá espaço para a dança com dois espectáculos únicos — um deles em estreia nacional e outro com uma contribuição muito especial da escritora Hélia Correia. Em Portimão as teclas são as protagonistas do Festival Internacional de Piano do Algarve. As complexas peças de Rachmaninoff e Schostakovich vão desafiar António Rosado e a Orquestra Metropolitana de Lisboa numa noite que promete ser inesquecível.

Com o filme “Um Grito na Noite” (1948) como ponto de partida, Ana Brandão e João Paulo Esteves da Silva criaram um espectáculo original em torno do guião do filme. Alcoutim recebe a próxima sessão de Video Lucem, dia 12 de abril, às 21h30. Este é mais um tesouro da cinematografia portuguesa, cujo som está perdido. “Um Grito na Noite”, do realizador algarvio Carlos Porfírio, retrata a vida dos contrabandistas de Alcoutim. Esta cópia, detida pela Cinemateca, viaja com Video Lucem para a vila raiana, para uma exibição única. O espectáculo foi construído com a participação de coletivos locais.

 A entrada para o filme é livre, sujeita a reserva prévia de lugares para o email cineclubefaro@gmail.com.

A quinta edição do festival “encontros do DeVIR” reforça a sua vocação internacional com a apresentação de “Stepping Stones” e “Aqua”. A 5 de abril, às 21h30, no Cine-Teatro Louletano, em Loulé, “Stepping Stones” terá a sua estreia nacional. O dueto, de Redouan Ait Chitt e Jeroen van der Linden (Holanda), traduz o percurso dos bailarinos que se distinguem pela sua fisicalidade e cumplicidade, num espectáculo que funde a dança urbana e a contemporânea.

“Aqua”, de Chey Jurado (Espanha), foi criado em 2016. O solo do premiado bailarino tem corrido o mundo, demonstrando um enorme trabalho físico e permitindo ao espetador submergir-se nas diferentes maneiras de decifrar o elemento-água através do movimento. O evento contará ainda com a leitura de um texto inédito de Hélia Correia, com ilustração em tempo real.

De uma enorme complexidade, o concerto n.º4 de Rachmaninoff para piano e orquestra será apresentado a 6 de abril, às 21h30, no TEMPO – Teatro Municipal de Portimão, enquadrado no 3.º Festival Internacional de Piano do Algarve.  Esta complexa e desafiante peça do compositor russo terá interpretação de António Rosado, que será acompanhado pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, conduzida pelo maestro Pedro Neves.  Também no mesmo concerto, e em estreia no Algarve, poderemos ouvir a sinfonia n.º 10 de Schostakovich, uma obra de grande exigência técnica e uma das maiores sinfonias do compositor.