Uma viagem musical pelo órgão de tubos

De Arnold Schlick a Hugo Distlerm, passando por Johann Sebastian Bach ou por Girolamo Frescobaldi, o concerto que terá lugar no sábado, 13 de abril, pelas 21h30, na Igreja do Bom Jesus de Matosinhos, promete ser uma autêntica viagem por alguns dos principais compositores para órgão de tubos nos últimos seis séculos. Diante do teclado estará António Esteireiro, um dos grandes executantes nacionais de música sacra e litúrgica. O concerto é de entrada gratuita e integra o programa Música em Matosinhos.

Uma autêntica viagem por alguns dos principais compositores para órgão de tubos nos últimos seis séculos é o que promete o concerto que terá lugar no sábado, 13 de abril, pelas 21h30, na Igreja do Bom Jesus de Matosinhos.

Licenciado em Órgão pela Escola Superior de Música e Teatro de Munique, e em Música Sacra pela Escola Superior de Música Sacra de Regensburg, António Esteireiro traz a Matosinhos um programa vasto, que abrirá com a “Toccata Settima”, a mais famosa das peças que Michelangelo Rossi compôs, crê-se, no final da década de 1630. Segue-se Girolamo Frescobaldi, um dos mestres de Rossi, do qual se escutará “Bergamasca”, uma peça de tom barroco que integra as chamadas “flores musicais” do compositor e organista da Basílica de São Pedro, em Roma.

António Esteireiro interpretará ainda uma das “canzonas” que Johann Sebastian Bach compôs cerca de 1715, precisamente inspirado pelas “flores musicais” de Frescobaldi. De Arnold Schlick, o mais antigo dos compositores do programa, escutar-se-á “Maria Zart”. O recital incluirá ainda peças de Dietrich Buxtehude, Hugo Distler, Jan Pieterszoon Sweelinck e Gregorio Strozzi, mas também dos portugueses Francisco Correa de Araújo e Carlos Seixas.

De referir que esta sexta-feira, 12 de abril, pelas 22 horas, o maestro e pianista Rui Massena atuará também no Teatro Municipal de Matosinhos-Constantino Nery, estando o concerto já esgotado.