Vai um pão de farinha de barata?

Um grupo de investigadores apresentou um pão confecionado com farinha de barata.

Já o tinham feito com o leite, apresentando-o então como ‘o superalimento do futuro’: quatro vezes mais nutritivo quando comparado com o leite de vaca. O ‘leite’ de barata é conseguido através da reprodução dos cristão de onde se origina o leite que um tipo específico de barata (a “diploltera punctate) alimenta as suas crias.

No que à farinha diz respeito, a proposta é a de se usar especificamente o inseto, neste caso, a espécie de barata Nauphoeta cinérea, de origem africana, que é produzida em cativeiro especificamente para consumo humano, que é um alimento altamente rico em proteína.

Para obter a farinha, o inseto é desidratado triturado e peneirado. Ao confecionar o pão, os investigadores usaram 90% de farinha de trigo e 10% de farinha de barata. Comparativamente a um pão totalmente feito com farinha de trigo, o primeiro apresenta um aumento de 133% de nível proteico, conseguindo-se diminuir em 68% a gordura, sendo que relativamente ao sabor, textura, cor e cheiro, os cientistas garantem não haver grande diferença, “apenas um leve toque com gosto a oleaginosas, de amendoim”.

A retração das pessoas relativamente ao consumo de insetos deve-se a uma questão cultural, sendo certo que os mesmos já são consumidos em muitas partes do mundo.

Na Europa, a linha de supermercados Carrefour já lançou um conjunto de produtos alimentares à base de insetos que garante ser mais sustentável e respeitosa para o meio ambiente.

As baratas parecem ser, assim, uma boa solução para os problemas da alimentação humana.