Viagens por terras algarvias

Travessias marítimas, histórias de piratas e a viola celta de Jordi Savall — a melhor viagem em terras algarvias.

O programa do 365 Algarve traz-nos grandes travessias marítimas, desta vez na corda bamba, em lendas de corsários e criaturas fantásticas que vivem no fundo do mar e nos sons da viola celta, pelas mãos do agrupamento Hespèrion XXI, conduzido pelo maestro e diretor musical, Jordi Savall.

Os portugueses são conhecidos por embarcar em grandes travessias e essa é a proposta do espetáculo “Traversée”, integrado no terceiro ciclo de Lavrar o Mar,

Tatiana Bongonga anda sobre o arame desde os sete anos e tem estado em Monchique e Aljezur a trabalhar com as populações, numa série de oficinas de funambulismo. Dia 21 de abril, às 16h30, perto da Praia da Amoreira, Tatiana vai fazer uma incrível travessia com a paisagem única desta praia, que cruza o mar e a foz da ribeira de Aljezur como fundo, num jogo de equilíbrios e desequilíbrios. 40 pessoas da comunidade vão oferecer o peso do seu corpo para ajudar a tensionar o cabo suspenso, que se vai elevar a 30 metros do chão e ao longo de 150m.

A travessia sobre o arame será acompanhada ainda por uma orquestra dirigida por Edien Amey e por Remi Gallet (Lavrar o Mar), a quem se vai juntar um conjunto de músicos de sopro profissionais e amadores.

Traversée é, no fundo, uma homenagem à cumplicidade, às relações e ao que, parecendo impossível, se torna possível pela força do colectivo e da partilha.

Um espetáculo feito de encontros, do corpo com a paisagem, com os céus do território e com a harmonia dos sons locais. Bilhete único de 5€ à venda em www.lavraromar.pt, na Biblioteca Municipal de Monchique e em Aljezur, na Casa Lavrar o Mar (Rua João Dias Mendes). Estará disponível um autocarro gratuito para portadores de bilhete, entre a Câmara Municipal de Aljezur e a Praia da Amoreira.

Além de grandes travessias, a nossa longa costa é fértil em episódios que refletem a instabilidade da geografia, em lendas, contos e crenças de gentes do mar. Essa riqueza histórica será traduzida em Os Tesouros de Lagoa, que subirá ao palco no Forte de Nossa Senhora da Encarnação, em Lagoa, a 20 de abril. O espetáculo, que tem início às 18h30, recria um pouco da história e cultura marítima desta edificação, erguida com a função de proteger a povoação de ataques de corsários e piratas. O espetáculo, enquadrado no projeto Percursos Performativos no Património, parte da profecia de um velho sábio, que, das entranhas do passado, invoca corsários ávidos de tesouros, assim como todo um imaginário de criaturas fantásticas. Ao longo de 90 minutos, o público vai poder ver quadros performativos que incluem teatro, instalações, marionetas, música e história oral.

34.º FIMA – Jordi Savall

Um dos mais criativos e versáteis músicos da sua geração, Jordi Savall é uma das estrelas da 34.ª edição do FIMA – Festival Internacional de Música do Algarve. Sexta-feira, às 21h30, no TEMPO – Teatro Municipal de Portimão, Jordi Savall e o agrupamento Hespèrion XXI trazem um programa em torno da Viola Celta, num equilíbrio entre tradição e modernidade.

Apesar de mais conhecidos pela sua recuperação e dinamização de leituras de música antiga, este repertório mistura canções tradicionais irlandesas e escocesas, que Savall agrupou em várias Suites, demonstrando um diálogo entre o Homem e a Natureza, entre o Antigo e o Novo Mundo.