Viajar está na moda

Nos dias de hoje, viajar é algo que quase todos gostam, quase todos querem e, ao contrário do que sucedia noutros tempos, quase todos podem. Se há alguns anos atrás, viajar era visto como um pequeno luxo, agora, é quase uma necessidade, um passatempo…

Há quem diga que nós somos do tamanho do mundo que conhecemos, portanto, para nos tornarmos “maiores”, o único caminho possível será… viajar!?

Obviamente, não é esse o único caminho à nossa disposição, mas trata-se, seguramente, de um dos mais eficazes. Chega a ser impressionante a quantidade de experiências e aprendizagens que é possível retirar de uma viagem, independentemente do destino que tenhamos. Mesmo que, muitas vezes, mais do que conhecer, queiramos “apenas” relaxar e afastarmo-nos do nosso “habitué”, acabamos sempre por enriquecer a nossa bagagem cultural. O simples contacto com diferentes formas de estar, diferentes rotinas e espaços distintos fazem-nos absorver coisas novas, tornam o nosso conhecimento mais vasto, tornam-nos seres humanos mais completos.

Desde logo, mesmo que não haja quem alinhe em fazer uma viagem, viajar sozinho(a) também pode ser muito benéfico, até mais do que viajar em grupo. Decerto já ouviram falar no “gap year”,- um ano de intervalo entre a saída do secundário e a entrada na universidade ou então, entre a saída da universidade e a entrada no mercado de trabalho, passado a viajar ou até a fazer voluntariado – esta é uma “tradição” que tem mais força no estrangeiro mas também há quem a faça por cá. Partir à aventura sozinho(a) pode permitir coisas muito boas.

Ao viajar, estamos abertos a novas experiências, novas formas de ver a vida. Por vezes, sentimo-nos perdidos e procuramos respostas para os problemas que nos rodeiam, pois bem, viajar pode ser a solução. Ao contactarmos com novas culturas, existe sempre a possibilidade de descobrirmos novos interesses, de esvaziarmos a mente, de nos conhecermos melhor a nós mesmos. Ao termos que lidar sozinhos(as) com tudo o que encontrarmos, torna-se mais fácil conseguir o foco que será necessário nessa e noutras ocasiões da nossa vida.